Trump escreveu ao Presidente chinês, no primeiro contacto com Pequim

Semanas depois da chamada para Taiwan, Trump contactou finalmente Xi Jinping, dizendo-se disposto a estabelecer "uma relação construtiva".

Foto
Trump acusou a China de manipular a moeda para prejudicar as exportações norte-americanas Reuters/DENIS BALIBOUSE

Ao fim de três semanas na Casa Branca, Donald Trump fez o primeiro contacto directo com o Presidente chinês Xi Jinping. Não foi por telefone, tal como tem acontecido com a maioria dos seus congéneres mundiais, mas sim numa carta, na qual afirmou que espera trabalhar com o seu homólogo chinês para "desenvolver uma relação construtiva que beneficie tanto os EUA como a China", disse a Casa Branca em comunicado.

Na missiva, o 45.º Presidente dos Estados Unidos desejou a Xi Jinping  um próspero Ano Novo Lunar do Galo, disse o comunicado, citado pela Reuters. .“Estimamos muito os votos do Presidente Trump ao Presidente Xi Jinping e ao povo chinês", comentou, por seu turno, o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Lu Kang.

Os dois Presidentes ainda não falaram ao telefone desde que Trump tomou posse, embora tenham tido uma conversa depois de o americano ter ganho as eleições presidenciais, em Novembro.

Durante a sua campanha, no entanto, foram várias as acusações de Donald Trump contra a China, desde o “roubo de empregos” aos norte-americanos, à manipulação da moeda e à “invenção do aquecimento global” para prejudicar as exportações norte-americanas. Tudo isto tem criado nervosismo em Pequim, que em jornais ligados ao Partido Comunista Chinês se transformou em acusações de imaturidade. O jornal chinês Global Times publicou um editorial onde chamou ao Presidente Trump uma “criança ignorante”, depois da conversa telefónica que manteve com a Presidente de Taiwan, Tsai Ing-Wen. A China considera Taiwan parte integrante do seu território.

A possibilidade de o Presidente Xi Jinping ser humilhado num eventual telefonema por Trump é algo que preocupa as autoridades chinesas - um risco que se tornou real depois de o Washington Post ter publicado extractos da conversa com o primeiro-ministro Malcolm Turnbull, a quem o Presidente americano desligou o telefone na cara, cortando aos 25 minutos de duração uma chamada que devia ter durador uma hora 

Em declarações aos jornalistas citadas por agências como a Reuters e a EFE, Lu Kang frisou que a cooperação entre Washington e Pequim é a "única opção" e desvalorizou o facto de o novo Presidente ter telefonado a vários outros líderes mundiais antes de contactar o chefe de Estado chinês. "Esse tipo de comentário não faz sentido", atalhou o responsável.

A China, garantiu o porta-voz do Executivo de Pequim, “está disposta a trabalhar com os Estados Unidos aderindo aos princípios de não confrontação, respeito mútuo e benefício mútuo para promover a cooperação” entre os dois países.