Crise e desemprego contribuíram para recaídas de antigos consumidores de droga

João Goulão adiantou no Parlamento que o aumento do consumo estará ligado sobretudo à heroína e à cocaína,

Foto
Daniel Rocha

O período de crise económica e o aumento do desemprego tiveram impacto no consumo de drogas, nomeadamente em recaídas por parte de antigos consumidores, afirma o presidente do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD).

"Houve um elevado número de pessoas que viram desmoronar a sua vida como um baralho de cartas", afirmou João Goulão, referindo-se a muitos dos desempregados gerados pela crise económica e financeira dos últimos anos.

Pessoas com fraca resistência à frustração e que buscam nas substâncias ilícitas um alívio do sofrimento começaram a regressar aos consumos, admitiu esta quarta-feira o responsável em declarações aos deputados, durante a comissão parlamentar de Saúde, onde foram apresentados os relatórios anuais de 2015 referentes ao álcool e às drogas.

João Goulão não tem dúvidas de que a "crise teve impacto" nas reincidências, havendo até pessoas que se "viraram para actividades de tráfico [de droga] como forma de subsistência".

Afectadas camadas mais vulneráveis da população

O "período duríssimo de vida" que o país atravessou afectou as camadas mais vulneráveis da população e o presidente do SICAD reconhece que "há uma população crescente" a consumir em "contextos de desorganização" à semelhança dos tempos do Casal Ventoso nas décadas de 80 e 90 do século passado.

João Goulão adianta que o recrudescimento do consumo estará ligado sobretudo à heroína e à cocaína.

Contudo, sobre a globalidade do relatório anual das drogas referente a 2015, o responsável considera que as tendências genéricas "são animadoras", apontando para uma "eficácia das intervenções" e para um aumento da consciencialização da sociedade para a perigosidade das drogas.

A cannabis continua a ser a substância ilícita mais consumida em Portugal, em relação à qual continua a haver muita "complacência social", apesar de não estar isenta de riscos.

Aliás, João Goulão lembra que houve um aumento das situações de motivaram idas às urgências (como crises do foro ansioso) ligadas ao consumo de cannabis

Sugerir correcção