Museu da Carris recebe uma rede de startups

A rede internacional Impact Hub chegou a Portugal e vai instalar-se em 500 metros quadrados do Museu da Carris em Lisboa. Receberá empreendedores com projectos auto-sustentáveis que tenham "impacto social e ambiental".

Foto
A rede arranca com 60 projectos JMF jose maria ferreira

Depois de abrir em mais de 80 cidades como Londres, a rede internacional de startups Impact Hub chegou agora a Lisboa. Vai inaugurar em Abril no Museu da Carris, num armazém com 500 metros quadrados, e apesar de ter uma área para partilha de espaço de trabalho não se define como co-working. Vê-se sobretudo como laboratório de inovação e centro comunitário que tem como objectivo apoiar projectos com impacto social e ambiental. Chegou agora a Lisboa pela mão de um grupo de portugueses como Filipe Portela e Gonçalo Teixeira.

Na apresentação à imprensa nesta terça-feira à tarde, Filipe Portela lembrou que o objectivo “é que as empresas deixem de ver a responsabilidade social como ‘gastar dinheiro’ para passar a encará-la como algo com muito impacto”.

O arranque naquele espaço está programado para Abril, com 60 projectos que incluem entre uma a quatro pessoas e que abrangem áreas diversas, como a saúde. São projectos que têm de ser auto-sustentáveis – mas se se tratar de um projecto que interessa à equipa eles podem “apadrinhar” e arranjar um financiador, disse Filipe Portela. O Impact Hub vai criar programas e eventos para os membros, capacitar pessoas, estabelecer conexões entre os próprios membros e entre os membros e instituições e empresas interessadas em financiar este tipo de projectos. 

Para se ser membro, e assim ter acesso a outros Impact Hub no mundo, é preciso ser entrevistado pela equipa (“tem que haver partilha de valores”) e pagar uma mensalidade de 50 euros. Já o espaço de trabalho custa entre 50 a 380 euros, dependendo das dimensões.