Trump pressionou autoridades para desmentirem a imprensa

O Presidente dos EUA continua a afirmar que a sua tomada de posse "foi a maior de sempre" e pressionou o National Park a encontrar imagens que o comprovassem.

O número de participantes foi comparado à tomada de posse de Barack Obama
Foto
O número de participantes foi comparado à tomada de posse de Barack Obama Reuters/LUCAS JACKSON

As imagens da tomada de posse de Donald Trump, em Washington, no dia 20 de Janeiro, foram comparadas, durante dias, às da tomada de posse de Barack Obama, há oito anos. Donald Trump não gostou e pediu directamente ao director do National Park Service, Michael T. Reynolds, para arranjar imagens de outros ângulos “que conseguissem provar que a imprensa mentiu”.

De acordo com fontes do Washington Post, o telefonema aconteceu no sábado, depois de o Presidente dos EUA ter ficado irritado com uma publicação no Twitter oficial do National Park, que comparava imagens da tomada de posse de Barack Obama, em 2009, às de Donald Trump.

As imagens dos dois momentos mostrava um número significativamente inferior de espectadores na tomada de posse de Trump, quando comparada com a primeira posse de Barack Obama. O Presidente dos EUA não ficou satisfeito com a discrepância entre as suas afirmações e o registo que ficou para a História.

A chamada telefónica foi confirmada pelo porta-voz do National Park, Thomas Crosson, que se recusou a comentar o teor da conversa. Também a Casa Branca reconheceu a existência do telefonema da Sala Oval para o director do National Park. Sarah Huckabee, porta-voz da Casa Branca, desvalorizou a questão e argumentou que a chamada apenas comprova que o “estilo” de gestão de Trump é “muito acessível e em contacto constante”.

“Não queremos alguém que esteja sentado à espera. Ele age e faz as coisas”, continua, para justificar o que pode ser visto como pressão e interferência do Presidente norte-americano. “Essa é uma das razões pelas quais é ele o Presidente e não Hillary Clinton”, conclui Sarah Huckabee, citada pelo mesmo jornal norte-americano.

Descritas como “uma tentativa de diminuir o entusiasmo da tomada de posse” por outra das vozes da Casa Branca, o porta-voz Sean Spicer, as notícias sobre a tomada de posse citavam especialistas cujas estimativas calculavam que Trump não conseguiu reunir mais de um terço da multidão que assistiu à tomada de posse do primeiro mandato do seu antecessor.

De acordo com uma fonte contactada pela CNN, depois do episódio, os responsáveis pela conta do National Park receberam ordens para suspender as publicações na rede social.

A polémica publicação com as duas imagens foi apagada no sábado e os responsáveis pela conta do National Park fizeram um pedido de desculpas pela partilha “errada”.

Na sua entrevista à ABC, Trump voltou a falar do assunto. “Tinha uma quantidade enorme de pessoas. Estão a mostrar imagens pouco lisonjeiras, que foram tiradas demasiado cedo, entre muitas coisas”.

Sugerir correcção