Infarmed fez mais de 1300 inspecções em 2016. Algumas farmácias hospitalares fecharam

No seguimento das inspecções, foi recomendada a suspensão de actividade em sete casos de farmácias hospitalares por risco elevado para os doentes. Algumas já reabriram.

O Infarmed realizou ainda 81 inspecções ao circuito dos dispositivos médicos e 71 ao dos produtos cosméticos
Foto
O Infarmed realizou ainda 81 inspecções ao circuito dos dispositivos médicos e 71 ao dos produtos cosméticos daniel rocha

A Autoridade do Medicamento (Infarmed) realizou no ano passado cerca de 1300 inspecções, a maioria a locais de venda de fármacos, mas tendo um enfoque especial nas farmácias hospitalares.

"A inspecção feita pelos técnicos do Infarmed tem sido muito grande a nível hospitalar", reconheceu o presidente da Autoridade, destacando que o objectivo das fiscalizações não é penalizar as unidades de saúde mas "ajudar os hospitais" a melhorar procedimentos.

Ao todo, foram realizadas no ano passado 48 inspecções a serviços farmacêuticos hospitalares, abrangendo 31 hospitais, dos quais 24 do sector público e sete do privado. No seguimento desta acção inspectiva, foi recomendada a suspensão de actividade em sete casos de farmácias hospitalares por risco elevado para os doentes. Algumas destas farmácias já reabriram entretanto.
Henrique Luz Rodrigues, presidente do Infarmed, explicou à agência Lusa que "as situações mais graves são aquelas em que há o fecho de condições e de locais para a preparação dos citostáticos [medicamentos contra o cancro] ".

"Estas são as situações relevantes. O fecho leva a que não seja possível muitas vezes preparar ou administrar os medicamentos naqueles hospitais", admite o responsável, adiantando contudo que tem havido uma extrema colaboração das unidades de saúde e que o Infarmed se esforçou por ajudar os hospitais a que prossigam com os tratamentos junto dos doentes.

Apesar do destaque dado às farmácias hospitalares, o maior número de inspecções foi a farmácias de bairro (498), seguindo-se os locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (244). Henrique Luz Rodrigues destaca que não tem havido problemas significativos detectados nas farmácias: "Nas farmácias de oficina as inconformidades não têm sido muito relevantes".

No balanço inspectivo do Infarmed, seguem-se as fiscalizações aos distribuidores por grosso (195), aos fabricantes de medicamentos (48), aos titulares de introdução no mercado (38). Além da área do medicamento, o Infarmed realizou ainda 81 inspecções ao circuito dos dispositivos médicos e 71 ao dos produtos cosméticos.