Presidente chinês avisa que “não haverá vencedores numa guerra comercial”

Xi Jinping responde em Davos aos que, como Donald Trump, têm criticado as vantagens que a China tem recolhido da globalização e do acesso mais livre aos mercados.

Foto
Xi Jinping, na estreia de um presidente chinês em Davos LUSA/GIAN EHRENZELLER

Xi Jinping não desiludiu quem em Davos desejava ouvir uma defesa da globalização e dos seus benefícios, realizando um discurso em que alertou, num recado evidente a Donald Trump, que políticas populistas podem conduzir à guerra e à pobreza.

O presidente chinês – o primeiro a participar no Fórum Económico Mundial que se iniciou esta terça-feira na estância de Inverno suíça – contou com uma sala esgotada em Davos para ouvir a sua intervenção. E aproveitou para defender aquilo que tem sido a aposta estratégica da China de crescimento baseada na integração cada vez maior numa economia globalizada.

Xi Jinping caracterizou a economia mundial como “um grande oceano do qual não se pode fugir”. “Aquilo que se deve fazer é aproveitar todas as oportunidades, enfrentar os desafios de forma conjunta e traçar o rumo certo para a globalização”, afirmou Xi Jinping.

A intervenção de Xi Jinping em Davos acontece numa altura em que as vantagens que a China tem conquistado nos mercados internacionais têm sido alvo de críticas em diversos pontos do globo. Em particular, Donald Trump, que na sexta-feira toma posse como presidente dos Estados Unidos, tem em diversas ocasiões acusado a China de beneficiar de uma abertura excessiva do mercado norte-americano aos seus produtos, prometendo alterar rapidamente essa situação.

O presidente chinês respondeu a essas críticas afirmando que “a globalização não deve ser culpada por todos os problemas do mundo”. “É verdade que a globalização económica criou novos problemas, mas isso não justifica que devamos parar totalmente com ela. Em vez disso, devemos adaptar-nos e guiarmos a globalização económica, amortecendo os seus impactos negativos e garantindo que produz benefícios para todos”, afirmou.

Recusar a globalização e adoptar uma política de proteccionismo, defendeu Xi Jinping, “é como fechamo-nos num quarto escuro”. “O vento e a chuva podem ser mantidos do lado de fora, mas a luz e o ar também”.

Numa altura em que um cenário de conflito entre as grandes potências económicas mundiais parece mais próximo, o presidente chinês declarou que “não haverá vencedores numa guerra comercial”. E, numa mensagem dirigida aos que mais criticam o modelo económico chinês, lembrou que a abertura do país à economia mundial foi também um forte estímulo ao crescimento em todo o globo nas últimas décadas, afirmando ainda que “não tem inveja dos sucessos dos outros países”.