Câmara de Lisboa vendeu painel de Querubim Lapa à CUF

Painel de azulejos que foi premiado pela autarquia em 1995 foi vendido juntamente com os terrenos do "triângulo dourado", onde está a nascer um hospital. A obra de arte vai manter-se no local.

"O Terraço" foi premiado em 1995 pela Câmara Municipal de Lisboa
Fotogaleria
"O Terraço" foi premiado em 1995 pela Câmara Municipal de Lisboa MIGUEL MADEIRA
Em 2014, Querubim Lapa disse ao PÚBLICO que estava preocupado com o painel
Fotogaleria
Em 2014, Querubim Lapa disse ao PÚBLICO que estava preocupado com o painel PEDRO CUNHA
Fotogaleria
Projecto do novo hospital, assinado por Frederico Valssassina

As obras de construção de um novo hospital CUF num terreno de Alcântara levaram à demolição de praticamente tudo o que ali existia antes. Uma coisa, no entanto, manteve-se. Um painel de azulejos da autoria de Querubim Lapa, agora tapado por uma rede verde, é o último sinal de que em tempos existiu um muro a circundar aquele terreno com mais de 20 mil metros quadrados, conhecido como “triângulo dourado”. Uma obra de arte que era municipal e que passou discretamente para as mãos do grupo Mello. Tão discretamente que, a princípio, nem o próprio grupo tinha certezas sobre a sua posse.

Apesar de isso não estar explícito em nenhum documento, quando uma empresa do grupo José de Mello Saúde comprou o terreno, em Janeiro de 2015, ficou também com esse painel, que está instalado no local desde 1994 e foi oferecido por uma farmacêutica à autarquia. O conjunto azulejar, chamado “O Terraço”, em que dominam os tons verdes e azuis e os motivos marítimos e vegetalistas, recebeu em 1995 o Prémio Jorge Colaço de Azulejaria, promovido pela própria Câmara Municipal de Lisboa.

A autarquia confirmou ao PÚBLICO, através do gabinete de comunicação, que o painel é “propriedade dos adquirentes do terreno”. Inicialmente, uma fonte da José de Mello Saúde negou que a obra de arte tivesse passado para as mãos da empresa e disse mesmo que “qualquer decisão” sobre o futuro dos azulejos competeria à câmara.

Mas a autarquia disse também ao PÚBLICO que o projecto do novo hospital só foi aprovado na condição de o painel ser colocado “no novo jardim, de utilização pública, que vai ser construído no local”. Confrontada com estas informações, a fonte do departamento de comunicação da José de Mello Saúde acabou por dizer que está prevista uma “futura aplicação no jardim público”.

Porém, Frederico Valssassina, arquitecto que assina o projecto do hospital, explica que “desde o seu início teve presente a existência deste painel”, mas esclarece que o mesmo “fica no actual local, pois é impossível a sua recolocação”.

Artista estava preocupado com painel

A LBO Land, empresa do grupo José de Mello Saúde (que entretanto mudou de nome para IMO Health), arrematou o “triângulo dourado” em hasta pública por mais um euro do que o preço base de licitação, 20,350 milhões de euros. O negócio concretizou-se em Janeiro de 2015, mas o grupo já em 2013 tinha apresentado ao município um Pedido de Informação Prévia para a construção de um hospital naquele sítio. Acabou por ser o único licitador na hasta pública.

Na altura, o destino do painel de azulejos ficou abafado no meio da muita polémica que rodeou o assunto. “Sempre tivemos inquietação em relação ao futuro do painel”, assegura agora João Ferreira, vereador comunista. “Entre as várias questões que o PCP levantou, referimos a questão do painel”, garante.

O próprio Querubim Lapa já se manifestara preocupado com “O Terraço”, que há muitos anos estava rodeado por cartazes publicitários. Em Junho de 2014, o mestre ceramista disse ao PÚBLICO que a câmara estava a demonstrar “falta de respeito pela obra de arte” ao consentir na colocação de publicidade que ofuscava o painel. Chegou a ser equacionada a reprodução de “O Terraço” noutro local da cidade, uma vez que estes azulejos estão cimentados à parede e não podem ser removidos, mas a proposta nunca andou para a frente.

Querubim Lapa morreu a 2 de Maio de 2016, aos 90 anos. Cinco dias depois, a José de Mello Saúde tornou-se efectivamente dona do terreno e do painel. As obras de construção do futuro hospital CUF Tejo começaram no fim de Junho. Uma das primeiras coisas a ir abaixo foi um edifício com inúmeros murais evocativos dos 40 anos do 25 de Abril.

A José de Mello Saúde conta ter o novo hospital a funcionar em 2019. O equipamento, que vai custar mais de cem milhões de euros, terá seis pisos à superfície, três pisos subterrâneos para estacionamento e um jardim virado à Avenida da Índia. É aí que "O Terraço" vai ficar, garante Frederico Valssassina, embora não seja conhecida nenhuma imagem do projecto com o painel.