A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria vai ter um portal com mais de 2600 vídeos

Os vídeos vão estar disponíveis online, a partir do dia 21, no portal A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, um projecto fundado pelo realizador Tiago Pereira.

Tiago Pereira co-fundou o canal de recolhas musicais em 2011 e estreou-o com um vídeo de Jorge Cruz
Foto
Tiago Pereira co-fundou o canal de recolhas musicais em 2011 e estreou-o com um vídeo de Jorge Cruz João Silva

O portal é o passo mais recente de um projecto de recolha e divulgação da música popular portuguesa que o documentarista e realizador Tiago Pereira criou em 2011 e que o levou de norte a sul do país e às ilhas, a filmar anónimos e artistas a tocar e a cantar em português. A partir da imagem de um mapa de Portugal, o visitante pode escolher uma região do país e explorar a música que Tiago Pereira gravou localmente, com tocadores e músicos, amadores e profissionais, construtores de instrumentos, gente anónima que preserva ainda a música pela transmissão oral.

"É importante ter isto tudo online, porque são 120 teras [terabites] de vídeos, e estão disponíveis para todos verem e pesquisarem como entenderem, por regiões, por instrumentos, por grupos", disse Tiago Pereira à agência Lusa. A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (MPGDP) começou por ser um canal na plataforma Vimeo, dedicado à "maravilhosa variedade da música portuguesa".

O canal começou a 16 de Janeiro de 2011, com um vídeo do músico Jorge Cruz, dos Diabo na Cruz, a tocar guitarra numa zona degradada junto aos estúdios Golden Pony, em Lisboa. Seis anos depois, a MPGDP é uma associação cultural e conta com mais de 2600 vídeos, nos quais se podem ver músicas que vão de Sérgio Godinho ao Grupo de Cantares de Sobral do Pinho. Nesse processo de périplo incessante pelo país, somando milhares de quilómetros e de horas de gravações, de contacto direto com a vida de muitos portugueses, Tiago Pereira realizou a série documental O Povo que Ainda Canta, dando a voz aos seus protagonistas.

A série já foi exibida na RTP2 e é agora editada num livro com oito CD, a lançar também no dia 21, numa sessão no Teatro da Trindade, em Lisboa. "Isto fecha um ciclo, mas não vou parar de gravar, porque a música portuguesa - já o disse antes - é um processo contraditório, incoerente e inconstante. Não sei o que é a música portuguesa e o que é tradição, mas é importante continuar a gravar", disse Tiago Pereira.

Depois da MPGDP, Tiago Pereira criou os projetos - está ainda a desenvolvê-los - A Música Ibérica a Gostar Dela Própria, A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria e A Dança Portuguesa a Gostar Dela Própria. Vencedor do prémio Megafone e fundador do projeto Sampladélicos, Tiago Pereira assinou filmes como Porque Não sou o Giacometti do século XXI (2015), Não me Importava Morrer se Houvesse Guitarras no Céu (2012), Sinfonia Imaterial (2011), Arritmia (2007) e 11 Burros Caem no Estômago Vazio (2006). Em 2013 foi o curador do álbum de recolhas Deem-me Duas Velhinhas, eu Dou-vos o Universo.