Há alguém na esquerda em França com estofo de Presidente?

Manuel Valls, Arnaud Montebourg e Benoît Hamon são os favoritos. O ex-primeiro-ministro tem a difícil tarefa de defender uma governação impopular, o que põe em causa o seu estatuto de favorito.

Manuel Valls pode ser derrotado à segunda volta por ex-ministros socialistas nas primárias de esquerda
Foto
Manuel Valls pode ser derrotado à segunda volta por ex-ministros socialistas nas primárias de esquerda Pascal Rossignol/REUTERS

Manuel Valls já ganhou as primárias da esquerda para as eleições presidenciais francesas? Para quem está fora de França isto pode parecer lógico, para os franceses nem por isso. Os debates televisivos que se iniciam esta quinta-feira, com os sete candidatos em liça, serão fundamentais para os eleitores decidirem – numa altura em que Marine Le Pen, a candidata da extrema-direita, é dada numa sondagem como ganhando a primeira volta das presidenciais, com 26% dos votos.

O ex-primeiro-ministro socialista não está a ter uma boa campanha: falta público nos seus comícios, teve confrontos com eleitores, foi enfarinhado numa deslocação. Além disso, uma sondagem Kantar Sofres OnePoint revelada esta semana diz que Manuel Valls, apesar de ganhar a 22 de Janeiro, será batido na segunda volta das primárias, no dia 29, pelo ex-ministro Arnaud Montebourg (outro socialista), a apóstolo do “made in France” e da oposição à globalização. No caso de ser outro candidato do PS, o ex-ministro da Educação Benoît Hamon, a passar à segunda volta, ficaria empatado com Valls.

Os resultados vão no mesmo sentido da sondagem publicada no último domingo pelo Journal du Dimanche. Mas pode haver surpresas. Antes de abrirem as urnas para as primárias da direita, em Novembro, Alain Juppé era o favorito. Quanto foram contados os votos, François Fillon tinha ganho de forma avassaladora, e confirmou a vitória na segunda volta. O comportamento de Fillon nos debates na televisão foi considerado decisivo para esta reviravolta.

Agora, as empresas de sondagens estão de sobreaviso. “Tudo vai depender da forma como decorrerem os três debates”, sublinhava Carine Marcé, directora adjunta da empresa Kantar Sofres. Para além do debate desta quinta-feira, estão marcados outros dois, a 15 e 19 de Janeiro – e um último a 25 de Janeiro, antes da segunda volta. E nota, citada pelo jornal Le Figaro, que os eleitores de direita que irão votar nas primárias da esquerda – tal como houve apoiantes da esquerda que foram votar nas primárias da direita – terão como objectivo principal prejudicar Valls

Após o choque que foram os resultados do referendo britânico sobre a permanência na União Europeia, a vitória de Trump nos EUA e o triunfo de Fillon, está a haver algum recuo no consumo de sondagens. Tanto assim é que o diário Le Parisien anunciou que não vai ter estudos de opinião durante a campanha para as presidenciais (que têm lugar em Abril e Maio). Em vez disso, promete “mais reportagens e artigos de fundo sobre os programas dos candidatos.”

Manuel Valls tem o papel mais ingrato: defender a governação de um Executivo impopular, que fez aprovar à força medidas que desagradaram à esquerda, como o Código do Trabalho, alvo de uma enorme contestação na Primavera passada. Nesta quarta-feira, a CGT e sete outros sindicatos começaram a apresentar no Conselho de Estado pedidos de anulação dos decretos de aplicação da lei, noticia o Libération.

Bem pode Valls dizer agora que é na verdade contra o uso do artigo da Constituição que permite ao Governo aprovar medidas polémicas sem debate no Parlamento – o 49.3 – que usou várias vezes enquanto primeiro-ministro, inclusive para a lei do trabalho. É difícil de defender esta herança, face aos seus principais rivais, que são da ala mais à esquerda do PS e saíram do Governo em protesto contra as políticas económicas seguidas.

E há ainda Emmanuel Macron, o seu ex-ministro da Economia, que não participa nas primárias da esquerda (por isso não está nos debates), corteja um eleitorado mais ao centro e é neste momento o político mais popular em França. Nestes dias, anda a dar-se a conhecer pela Alemanha e a dizer que, na sua opinião, dentro de dez anos o euro pode acabar.

A candidata da extrema-direita às presidenciais, Marine Le Pen, também tem bons resultados entre os que não estão satisfeitos com as políticas económicas do Governo – e que não vêem com bons olhos a austeridade e os cortes na saúde e segurança social prometidos pelo candidato da direita, François Fillon. Por isso a sondagem Ifop para a revisa Paris Match dá entre 24 e 25% dos votos a Fillon na primeira volta, e 26 a 26,5% a Le Pen.