Crítica

Um precioso pequeno filme

Homenzinhos prova como Ira Sachs é um novo “mestre” de um cinema americano que evoca a simplicidade formal dos clássicos e a complexidade dramática da nova Hollywood.

Fotogaleria
Depois do olhar sobre a velhice de Love Is Strange, Homenzinhos desce ao olhar de dois miúdos adolescentes
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Não, Love Is Strange não foi (muito longe disso) um mero “fogacho” numa carreira de realização que até aqui estivera demasiado escondida – Homenzinhos prova como Ira Sachs é um novo “mestre” de um cinema americano que evoca ao mesmo tempo a simplicidade formal dos grandes clássicos e a complexidade dramática da nova Hollywood, capaz de pegar numa história simples dos nossos dias e de a transformar em melodrama emocionante e poderoso sem precisar de recorrer a rodriguinhos mais ou menos convencionais. Depois do olhar sobre a velhice de Love Is Strange, Homenzinhos desce ao olhar de dois miúdos adolescentes que travam rapidamente uma amizade inesperada: Jake, introvertido e sensível, filho de um actor desempregado e de uma médica, e Mike, extrovertido e espertalhão, filho de uma emigrante chilena que gere a loja por baixo da casa do avô de Jake. O avô morre, Jake e os pais mudam-se para a sua casa para poupar dinheiro, e enquanto os dois rapazes se tornam rapidamente amigos os respectivos pais entram em litígio por causa da renda da loja: o avô fazia um desconto na renda porque sabia que a loja não dava dinheiro mas era importante para o bairro, mas os filhos precisam do dinheiro para fazer face ao custo de vida e precisam de aumentar a renda, mesmo que isso implique fechar a loja.

Eis, então, a economia – mas não só a economia - a lançar obstáculos à amizade dos miúdos: o que Sachs faz, com uma elegância e uma economia notáveis, é pôr as suas personagens a evoluir numa cidade que tanto conspira para os juntar como para os afastar. Jake e Mike nunca se teriam encontrado se não fosse a Brooklyn gentrificada que já não é o que era, e a cidade torna-se para os dois amigos num enorme parque de diversões cujas zonas proibidas eles tentam negociar o melhor que podem. Sachs filma Nova Iorque como uma terceira personagem na relação, e na verdade como a chave à volta da qual toda a história gira, dando com uma mão e tirando com outra, enquanto os miúdos começam a descobrir as responsabilidades de se ser adulto e os adultos tentam não descer ao puro despeito juvenil. E, nesse processo, deixa os seus actores à vontade para criarem gente de carne e osso para quem a vida é uma longa série de negociações entre o desejo e a verdade. De certo modo, Homenzinhos diz que “esta cidade” (este país?) “não é para velhos”, antes para aqueles dispostos a ir à luta. E não será, até pela sua dimensão modesta, obra-prima como Love Is Strange o foi – mas é, no seu lado de pequena miniatura, honesta, atenta, preciosa, o melhor cartão de visita que podemos ter para o cinema em 2017. Um óptimo pequeno filme que merece, de muito longe, a atenção que se dá a filmes muito maiores que não adiantam nem atrasam.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações