Opinião

Costa esteve onde tinha de estar

Se há político português que tentou melhorar as relações com a Índia, e que entenderia por que esta oportunidade não poderia ser desperdiçada, foi Mário Soares.

Deveria haver uma designação para uma polémica tão tola que não merece sequer o título de polémica. Sugiro, talvez, “tolémica”. Um exemplo muito recente seria o das críticas a António Costa por este ter entendido que não poderia interromper a visita de Estado que enquanto primeiro-ministro de Portugal estava a realizar à Índia para vir ao funeral de Mário Soares. Alguns deputados do PSD tentaram surfar a onda: Carlos Abreu Amorim atreveu-se a afirmar que Costa “se marimbava” para as cerimónias, Duarte Marques tentou equiparar com a ausência de Cavaco Silva (por estar de férias nos Açores) no funeral de José Saramago. Ninguém com responsabilidade política os seguiu, e bem. O único serviço que uma “tolémica” nos pode prestar é o de abrir a porta a uma discussão séria. A visita de Costa à Índia merece-a.

É curioso que ninguém tenha chamado esta visita de histórica num tempo em que se usa o adjetivo “histórico” por tudo e por nada. Mas se há ocasião política que nos permite entrever o arco que vai da primeira globalização — quando Vasco da Gama chegou à Índia em 1498 — até à crise da globalização presente, é esta em que um político português com origens em Goa e no antigo Estado Português da Índia visita a República da Índia. É pouco dizer que Portugal e a Índia não tiveram relações fáceis: no mesmo ano em que o primeiro-ministro português nasceu, 1961, Goa foi anexada pela Índia, junto com os outros territórios portugueses no subcontinente indiano.

Antes e depois disso, o regime salazarista perdeu duas décadas tentando futilmente isolar internacionalmente a Índia e negar as suas pretensões. Com isso perdeu mais do que duas décadas: perdeu séculos de presença contínua da língua portuguesa na Índia e a possibilidade de uma continuidade estável para a riquíssima cultura luso-indiana que ali floresceu. Se há primeiro-ministro português que pode tentar, mesmo a esta distância, reverter alguns dos danos que foram causados, é evidente que esse primeiro-ministro é António Costa. Se há político português que tentou melhorar as relações com a Índia, e que entenderia por que esta oportunidade não poderia ser desperdiçada, foi Mário Soares. Também ele teria posto o país à frente das suas vontades pessoais numa ocasião destas.

É que entretanto a Índia mudou e tem uma importância geopolítica ímpar. A Índia é o segundo país mais populoso do mundo, e será mesmo em breve o mais populoso. A Índia é uma das economias no mundo que mais cresce, e irá em breve ultrapassar o Reino Unido do "Brexit". Não por acaso a primeira-ministra britânica foi recentemente à Índia mendigar um acordo de livre-comércio — e saiu com as mãos a abanar, pois politicamente refém que está da sua direita xenófoba não teve possibilidade de prometer aos indianos o que eles mais solicitam: facilidade para vistos de estudantes, trabalhadores e empresários. Costa viu essa abertura, e foi muito claro na abertura das portas portuguesas aos indianos.

Se isso melhorará de uma vez por todas as relações entre Índia e Portugal, e se essa melhoria contribuirá para um aumento do investimento indiano no nosso país, só o futuro o dirá. Mas um primeiro-ministro tem obrigação de tentar, e de não abandonar uma tentativa a meio. Costa esteve onde tinha de estar. Mais uma vez se prova que o provincianismo é a forma mais infértil de patriotismo: não há melhor patriota do que o cosmopolita.

Tudo contado, a ver se nesta crise da globalização evitamos o destino que Álvaro de Campos nos traçou — o de sermos daquele género de portugueses que, depois de estar a Índia descoberta, ficou sem trabalho. Ou, pelo menos, sem outro trabalho do que mandar umas tristes bocas no triste cenário da política nacional.