Fotografia

Sabonetes, uma barbearia e um museu na loja Claus Porto

Fotogaleria

Na criação do projecto da primeira loja exclusiva da Claus Porto no centro de Lisboa, João Mendes Ribeiro inspirou-se numa fotografia. Terezin 2007, de Daniel Blaufuks, funcionou como “metáfora gráfica” para o arquitecto e a sua equipa, como representação de um “espaço arquétipo de um arquivo”. “O que tentamos foi construir um arquivo que se relaciona com a memória e o património da marca”, explica João Mendes Ribeiro — o arquitecto por detrás do açoriano Arquipélago — ao P3. Neste contexto, a loja da marca de sabonetes e fragrâncias do Porto “é uma espécie de arquivo vivo em permanente construção”, com três zonas bem distintas. No espaço voltado para a rua da Misericórdia funcionou uma farmácia, da qual o arquitecto optou por manter o mobiliário (daí as vitrines), acrescentando um novo mosaico hidráulico e um marcante balcão de latão polido [em destaque nas fotografias de José Campos]. “É uma peça quase oculta porque reflecte toda a envolvência da loja”, descreve. O espaço de baixo, voltado para a rua das Gáveas, “tem um carácter multifuncional, flexível e que pretende relacionar-se com os visitantes”. O desenho, minimal, destaca uma parede que funciona como arquivador dos produtos da Claus Porto, “que já têm uma presença muito forte pelo tipo de embalagem”. É nessa cota mais baixa que se localiza uma barbearia masculina de inspiração vintage, a operar por marcação com os produtos da gama Musgo Real. A água é um dos elementos condutores do projecto arquitectónico, “associada ao bem-estar e aos cuidados do corpo”. A ligar os dois andares da loja, um “pequeno núcleo museológico com fotografias antigas da fábrica, adereços relacionados com a produção de sabonetes e uma caixa-arquivo em latão polido”. Localizada numa zona altamente turística de Lisboa, a loja, inaugurada em 2016, “é mais do que um depósito de velhas memórias ou um espaço neutro”. “Queríamos que fosse um lugar de acolhimento, aberto, de partilha de conhecimento e experiências”, resume o arquitecto.