Mais quatro portugueses na Berlinale

Curtas de Salomé Lamas, João Salaviza, Diogo Costa Amarante e Gabriel Abrantes seleccionadas para a competição oficial do 69.º Festival de Berlim.

Foto
Coup de Grâce, de Salomé Lamas DR

Depois de Colo, de Teresa Villaverde, a presença portuguesa no festival de Berlim de 2017 estende-se agora às novas curtas de Salomé Lamas, João Salaviza, Diogo Costa Amarante e Gabriel Abrantes, elevando o total de filmes portugueses em concurso no certame alemão a cinco. As quatro curtas-metragens, duas das quais em estreia mundial, farão parte dos 19 títulos da competição oficial Berlinale Shorts, onde será igualmente exibida, fora de competição, a célebre curta de Sarah Maldoror Monangambé, adaptação do conto homónimo de Luandino Vieira.

Para todos os cineastas presentes, é um regresso ao festival alemão, onde são presenças habituais; João Salaviza retorna, aliás, depois de em 2012 ter trazido para Portugal o Urso de Ouro das curtas por Rafa. Este ano, mostra Altas Cidades de Ossadas, o seu regresso ao formato curto após a estreia na longa com Montanha. Salomé Lamas, por seu lado, estreia-se na competição berlinense, visto que as suas duas presenças anteriores no certame – com as longas Eldorado XXI, que venceu o Porto/Post/Doc em Dezembro, e Terra de Ninguém – foram exibidas na secção paralela não competitiva Forum. Coup de Grâce, a curta que a realizadora leva a Berlim, é a sua estreia na ficção, escrita com Isabel Pettermann e interpretada por Miguel Borges e Clara Jost. Em ambos os casos, trata-se de estreias mundiais.

Diogo Costa Amarante, que já esteve na competição de curtas do festival em 2014 com As Rosas Brancas, mostra Cidade Pequena, que teve estreia no Curtas Vila do Conde 2016, e Gabriel Abrantes, presença regular no Berlinale Shorts (onde esteve a concurso em 2016 com Freud & Friends), apresenta Os Humores Artificiais, rodado no Brasil e encomendado pela Bienal de São Paulo.

A 69.ª edição da Berlinale tem lugar de 9 a 19 de Fevereiro próximos.