Crítica

Yasiin Bey, uma sombra na escuridão

A escuridão críptica e poética de Bey (a.k.a. Mos Def) Yasiin Bey, no seu conturbado come back à América e aos discos.

<i> December 99th </i> : idiossincrático, desalinhado de tudo
Foto
December 99th : idiossincrático, desalinhado de tudo

Novembro e Dezembro de 2016 revelaram-se como um dos períodos mais fecundos para a história recente do hip-hop: embalado pelo triunfante regresso (e adeus) dos A Tribe Called Quest, da reaparição dos Emanon (Aloe Blacc & Exile) e do novo álbum de Common, o ouvinte deparou-se, depois, com os novos lançamentos de J. Cole, Kid Cudi e Childish Gambino, até que, já na recta final, surgiu, da névoa, Yasiin Bey (ou seja, Mos Def, como assinava antes da adopção do nome islâmico), aqui a formar a dupla Dec 99th com o produtor Ferrari Sheppard (também jornalista e artista visual). Grande parte do que aqui escrevemos há semanas sobre Common (um dos maiores rappers vivos, uma das vozes negras mais respeitadas da América, grande cultor do conscious hip-hop de feição política) é directamente aplicável a Bey (quer a solo, quer na histórica dupla que formou com Talib Kweli, os Black Star), pelo que as apresentações estão feitas e podemos partir já para a apreciação do aguardado trabalho do nova-iorquino, anunciado como o primeiro de três tomos (com títulos já revelados: Negus in Natural Person e As Promised) ao cabo dos quais se retirará da música e – ele que também é actor – do cinema (palavras do próprio).

Em 2013, no decorrer de uma espécie de jornada espiritual errante pelo mundo, Bey fixou-se na África do Sul, tendo-se envolvido, no início deste ano, num kafkiano e nunca realmente explicado caso diplomático com as autoridades locais quando, já após ter ultrapassado o período de estadia permitido pelo visto, tentou sair do país com um “world passaport” (alegadamente não reconhecido naquele país). Bey terá, então, recebido ordem de expulsão, mas, a braços com complicações judiciais que o obrigaram a permanecer, só em meados de Novembro último, e já depois de um pedido de desculpas formal, conseguiu abandonar o país, no qual terá ficado, alegadamente, com estatuto de persona non grata (todo o imbróglio deve ter sido para ele, um histórico activista pela causa afro-americana, um soco daqueles no estômago).

Desde logo, duas observações a retirar desta rocambolesca história: a primeira é a de que, ao contrário do que poderia ser expectável, este trabalho é tudo menos “africano” (no sentido genérico e mais imediato que associamos à música feita nesse continente), seja na instrumentação, nas melodias, nos ritmos, enfim, no tom ou na “temperatura”. A segunda, reflexo da anterior, é a de que o trabalho que aqui se encontra, não sendo de hip-hop (provavelmente, os fãs mais ferrenhos de Bey, se chegarem sequer a ouvir o álbum até ao fim, não o farão uma segunda vez, à semelhança do que aconteceu com o Indicud de Kid Cudi, em 2013), revela-se sobremaneira abstracto (a um tal nível pouco comum de ouvir no hip-hop americano), poético, misterioso, a espaços mesmo místico (sobretudo na convocação de elementos da Natureza), e escuro, muito escuro (não apenas nas letras, mas na ambiência geral, como ficou demonstrado na impressionante actuação, musical mas sobretudo visual, da dupla no The Tonight Show de Jimmy Fallon).

O título de uma das canções, Shadow In The Dark (curiosamente, uma das canções com mais jinga e na qual, juntamente com Local Time, se ensaia um dub fumarento), é hipérbole cinemática para essa escuridão, repisada, nomeadamente, em It Goes, cuja letra se repete, sob um instrumental diferente, em Special Dedication: “They were staring at the stars / How it’s bright while it’s dark? / Ain’t that odd? Perfect art / It goes like / How it’s light then it’s dark? / Then that dark fall apart”. Talvez essa escuridão derive, afinal, da clausura forçada a que Bey esteve sujeito: não só toda a sonoridade aponta para uma certa ideia de fechamento, de “quatro paredes” isoladas do mundo (o que rima bem com a ausência de convidados no disco), como o título da sexta faixa, Seaside Panic Room, é nova metáfora para um músico aprisionado numa África prometida à beira mar plantada.

Não sendo fácil ou “legível” à primeira (mesmo críptico nas primeiras audições, tal como a indecifrável capa do disco), e com o seu quê de experimental (condizente com o espírito errante de Bey), é um trabalho que primeiramente se estranha para depois se entranhar à medida que, guiados pela voz hipnótica de Bey (quase sempre cantada e só esporadicamente rappada, no que se evidencia um rompimento total com os seus trabalhos anteriores), nos vamos deixando submergir na atmosfera sonâmbula, opiácea, resultante das composições minimalistas e secas de Ferrari, as quais trazem à memória algum do trip-hop dos anos 90 (a canção mais colorida ou soulful ainda será Heri, a única, curiosamente, em que Bey não canta). Mas será, então, que tudo – e não apenas o nome – mudou do “antigo” Mos Def para o “novo” Yasiin Bey? Com certeza que não, e a prová-lo está a carga fortemente política do álbum, com a nuance, porém, de que ela é agora verbalizada de modo muito menos directo ou explícito, mais subtil, abstracto ou poético, sem perder, contudo, a sua chama ou rebeldia.

Igualmente significativa é a inspiração religiosa transversal ao álbum, ouvindo-se frequentemente expressões islâmicas ou palavras de louvor ao Criador, donde o “99th” do título talvez corresponda ao último dos 99 nomes-atributos que, convencionalmente, os muçulmanos reservam para Alá, sendo o nonagésimo nono o de “As-Sabur”, “O Paciente”. Indubitavelmente um dos mais desafiantes álbuns de 2016, musical e liricamente falando – e talvez por isso mesmo praticamente ignorado pela crítica (a recepção tem sido do tipo “hate it or love it”, com muito maior predominância do primeiro) –, December 99th, traduzindo um gesto artisticamente idiossincrático e desalinhado de tudo o resto que vem sendo feito actualmente, deixa a curiosidade aguçada para os próximos dois tomos.