Nas redes sociais, ódio e boatos em copy-paste

Críticas a Mário Soares surgem sobretudo da parte de saudosistas do antigo regime e de retornados do ultramar.

O fenómeno repete-se a cada morte mediática
Foto
O fenómeno repete-se a cada morte mediática

O fenómeno repete-se a cada morte mediática. Nas horas após o anúncio da morte de Mário Soares, nas caixas de comentários às notícias dos principais jornais portugueses, tanto nos respectivos sites como no Facebook, e no meio das manifestações de pesar, também houve quem não lamentasse ou que abertamente se regozijasse pelo desaparecimento do antigo Presidente da República.

As críticas surgem sobretudo de dois sectores. De um lado, de saudosistas do antigo regime e de retornados do ultramar. De outro, de quem à esquerda acusa Soares de ter travado uma revolução socialista em Portugal. Mas são sobretudo do primeiro grupo as mensagens mais hostis. É difícil aferir a real dimensão do fenómeno face à multiplicação de comentários copiados e publicados através de contas não verificadas, mas é fácil traçar um perfil das mensagens: o regozijo pela morte é frequentemente acompanhado pela recuperação de antigos boatos sobre o ex-chefe de Estado. Dois exemplos: a suposta profanação da bandeira nacional durante uma manifestação em Londres, em 1973, e um conjunto de declarações explosivas sobre os colonos portugueses em África atribuídas a Soares, em data não situada.

Sobre a bandeira, tanto se lê que Soares cuspiu sobre o símbolo nacional, como que o pisou ou mesmo que o queimou. O incidente teria ocorrido durante uma manifestação em Londres, em Julho de 1973, organizada para contestar a visita de Marcello Caetano ao Reino Unido. Na manifestação, cujos registos são públicos, participaram socialistas e comunistas portugueses e uma miríade de movimentos britânicos de oposição à colonização lusa em África e também ao apartheid. Mas não há registos da suposta profanação do símbolo nacional e muito menos do envolvimento de Soares no acto. O próprio o nega em entrevista a Maria João Avillez (tornada em livro em Mário Soares: Ditadura e Revolução): “Um patriota e um republicano, como eu sou e sempre fui, nunca iria pisar a bandeira da República, que nunca foi a bandeira do salazarismo”. A história, dizia, era uma “imbecilidade”.

A atribuição das supostas declarações sobre os portugueses em África também não sobrevive a uma verificação rigorosa. Lê-se nos comentários que, numa entrevista à alemã Der Spiegel, no ano de 1974, Soares teria sugerido abrir fogo sobre os colonos que não aceitassem o processo de independência dos territórios. A citação, no entanto, surge descontextualizada. Na entrevista à revista germânica, e questionado sobre se o exército português em Angola estaria preparado para suprimir uma eventual rebelião da população branca inspirada pelos acontecimentos na Rodésia, o que Soares responde é que o exército “não hesitará e não pode hesitar”. Na mesma conversa, porém, o socialista diz acreditar cada vez menos na eventualidade de uma “solução rodesiana” para Angola, minimizando o risco de uma acção armada por parte dos colonos. Em todo o caso, não existe uma citação directa a suportar a acusação que circula ainda hoje nas redes sociais.

De verificação ainda mais difícil é o suposto episódio em que Soares terá dito que a solução para os portugueses brancos de África passaria por atirá-los aos tubarões. A história surge num panfleto com um artigo supostamente publicado em 1977 no jornal A Rua em que se lê que o correspondente do jornal brasileiro O Estado de São Paulo em Lisboa teria escrito que “Mário Soares afirmou publicamente haver uma só solução para o destino dos portugueses brancos ultramarinos – atirá-los aos tubarões”. Só que não se encontra o dito artigo de Santana Mota, o correspondente brasileiro em Lisboa, desconhecendo-se as circunstâncias em que a suposta declaração teria sido produzida ou sequer o seu teor: teria um sentido literal ou seria uma força de expressão? Mais uma vez, e para além de imagens e artigos sem fonte que circulam em publicações saudosistas e de extrema-direita, não existem registos de que a afirmação alguma vez tenha sido feita.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações