Tabacaria histórica de Lisboa fecha portas 144 anos depois

Palácio onde está a Tabacaria Martins vai ser transformado em apartamentos de luxo. Proprietária lamenta o desaparecimento do espólio mobiliário e a câmara diz que “está a acompanhar a situação”.

Fotogaleria
Fábio Augusto
Fotogaleria
Fábio Augusto
Fotogaleria
Fábio Augusto
Fotogaleria
Fábio Augusto
Fotogaleria
Fábio Augusto

O escaparate só com revistas e jornais estrangeiros é difícil de ignorar quando se anda naquele passeio estreito. Se a curiosidade atrair o olhar para dentro, é como se, salvo um candeeiro branco de Siza Vieira e a máquina das apostas, o século XIX estivesse intacto numa das zonas que mais transformações tem tido no centro de Lisboa. É um pedaço de passado que desaparece no fim do mês: a Tabacaria Martins fecha as portas abertas há 144 anos no Largo do Calhariz.

“É um clássico na cidade”, resume com ironia Ana Martins, actual proprietária e neta do fundador da tabacaria. “O novo senhorio não quer renovar contrato” e, por isso, a loja histórica vai sair do Palácio Sandomil, que será transformado num condomínio de apartamentos de luxo. O edifício, classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1967, foi vendido no ano passado a investidores estrangeiros, que não quiseram manter a tabacaria no local.

“Andei uma série de tempo a tentar demovê-los”, relata Ana Martins. Mas a inevitabilidade do fecho, já no fim do mês de Janeiro, acabou por ser confirmada na quarta-feira à tarde. Os três trabalhadores foram os primeiros a saber, mas a indignação e a tristeza rapidamente saltaram para fora da loja. “Tenho clientes a chorar, tenho pessoal a chorar, amigos a telefonar. Estou estupefacta com o que se está a passar”, admite a dona da tabacaria, que cresceu entre as paredes deste exíguo espaço criado em 1872 e assumiu a liderança do negócio depois do pai – e este depois do avô.

A Tabacaria Martins é uma das 63 “Lojas com História” classificadas no Verão passado pela Câmara Municipal de Lisboa, devido às “suas características únicas” e ao seu “reconhecido valor para a identidade da cidade”. Trata-se de “uma bandeira que não tem conteúdo”, critica Ana Martins, que conta ter sido abordada há uns meses pela autarquia para uma cerimónia solene de entrega de um galardão que nunca chegou a acontecer.

A empresária afirma que Duarte Cordeiro, vice-presidente da câmara e vereador responsável pelo programa “Lojas com História”, “há muito tempo que é sabedor desta situação”. Contactada pelo PÚBLICO, a câmara fez saber apenas, através do gabinete de comunicação, que “está a acompanhar a situação”. Ana Martins reconhece legitimidade ao senhorio para não lhe renovar o contrato de arrendamento, mas lamenta o destino anunciado dos móveis em madeira, de um relógio e de duas placas em pedra e uma metálica, que no exterior publicitam as “loterias e jornaes” e os “tabacos nacionaes e estrangeiros”. “O que me faz mais impressão é o modo como isto vai ser tratado. Como lixo.”

Edifício tem características “únicas”

O Palácio Sandomil começou a ser construído em meados do século XVII e já teve inúmeras alterações posteriores, a mais importante delas ainda antes do terramoto de 1755. No interior destacam-se dois tectos “únicos na cidade (…) integralmente pintados com temas da mitologia greco-romana que reproduzem pinturas europeias”, escreveu Ana Paula Rebelo Correia, investigadora em História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

O projecto de reabilitação do palácio, assinado pelo atelier de arquitectura Metro Urbe, prevê a criação de seis apartamentos de luxo, estacionamento subterrâneo e águas furtadas. É possível encontrar algumas habitações à venda na internet por valores a rondar os três milhões de euros.

Concluídas as obras, o edifício ficará de cara lavada mas sem uma peça relevante da sua história. “Isto faz parte da vida das pessoas”, diz Ana Martins. “São gerações. Vem o pai, vêm os filhos, vêm os netos”, completa uma funcionária. Para a dona da tabacaria, o fim vai mesmo ser o fim. “Não faz sentido reproduzir isto em qualquer outro lado. Estou focada neste momento em fechar de uma maneira digna, bonita.”