Polícia chinesa detém homem que armazenava carne de espécies protegidas

Homem detido congelava peças de urso, crocodilo e de aves protegidas para posteriormente as vender a restaurantes.

Os ursos são uma espécie protegida na China, mas isso não impediu que fossem encontradas cabeças e patas de urso na pilha de animais mortos encontrados nas buscas realizadas pelas autoridades chinesas
Foto
Os ursos são uma espécie protegida na China, mas isso não impediu que fossem encontradas cabeças e patas de urso na pilha de animais mortos encontrados nas buscas realizadas pelas autoridades chinesas JOAO GUILHERME / PUBLICO

A polícia chinesa deteve um homem que tinha armazenadas quase duas toneladas de carne de espécies de animais selvagens e protegidas para as vender a restaurantes, revela esta quinta-feira o jornal China Daily.

De acordo com a secretaria de Segurança Pública da Cidade de Mianyang quando as autoridades abriram a arca frigorífica encontraram pilhas de animais mortos, incluindo cabeças e patas de urso, corujas e crocodilos. A certa altura a polícia abriu um saco que continha “sete cabeças de urso, três crocodilos e uns quantos cadáveres de águias” disse fonte policial citada pelo Mail Online

No decorrer das operações foram detidas cinco pessoas e foi identificado o principal suspeito, Lian Dong, de 58 anos, que a polícia crê ser o cabecilha da rede que tráfico animal.

Segundo o Mail Online, Liann Dong actuava sob o pseudónimo de Liang Shaohua e possuía uma empresa de criação animal registada com esse nome. As últimas transacções comprovam que em 24 Setembro de 2016, Shaohua adquiriu cinco ursos vivos, por valores que rondavam os 7000 e os 8000 yuans (entre os 967 e 1105 euros). Mais tarde, estes animais foram mortos. O homem enfrenta uma pena de até dez anos de prisão.

Desde o primeiro dia do ano que a lei chinesa de protecção da vida selvagem inclui uma cláusula que criminaliza quem come animais de espécies protegidas.