Um catálogo para uma exposição que não vai existir

A mostra que o anterior presidente do CCB previra para "explicar" Belém já tem catálogo publicado e à venda, mas foi "cancelada". Summavielle diz que "almofada financeira" da casa se perdeu, mas António Lamas recusa acusações. Os dois esperam que o dinheiro da Europa ainda venha.

Foto
A zona de Belém antes da Exposição do Mundo Português, de 1940 DR

Quando Elísio Summavielle chegou à presidência do Centro Cultural de Belém, estava já em curso uma série de acções que António Lamas promovera a pensar na valorização da casa e da sua envolvente e em que investira já dinheiro, à espera dos fundos comunitários que chegariam via Por Lisboa (plano de acção regional do anterior quadro de apoio). Entre elas estava a realização de uma mostra sobre a Exposição do Mundo Português, de 1940, monumental celebração do Estado Novo que deixou várias marcas em Belém. Mostra que, garantiu agora Summavielle, foi “cancelada”, apesar de o respectivo catálogo estar à venda.

A exposição “fazia parte de um pacote e não havia ainda compromisso financeiro em relação a isso”, explica. “Houve cerca de 3,7 milhões de euros investidos no Por Lisboa que compreendiam todas estas iniciativas dos quais não houve nenhum retorno para o CCB. Ainda.”

Este montante saiu de uma almofada financeira de que a instituição dispunha desde a sua criação e que, diz Summavielle, agora se perdeu. Tudo porque as candidaturas aos fundos europeus foram aprovadas em overbooking (apesar de terem sido aceites, não receberam ainda verbas comunitárias).

Contactado pelo PÚBLICO, o anterior presidente do CCB garante que essa almofada não desapareceu e que não perdeu a esperança de ver esse dinheiro reposto, pelo menos em boa parte, pela Europa. “Ainda fechei as contas de 2015 e elas foram auditadas, aprovadas e publicadas. É tudo muito transparente. Os investimentos feitos estão lá, para benefício do CCB e dos seus públicos, não foram feitos em festas e viagens.” E está lá também a referência de que as candidaturas ao fundos comunitários foram feitas "em regime de aprovação condicionada – overbooking".

Estes investimentos dizem respeito, por exemplo, à melhoria das acessibilidades para deficientes, à máquina de projecção para o cinema no grande auditório, à renovação do sistema de ar condicionado do edifício e de segurança nos parques de estacionamento, a estudos e projectos para a conclusão do CCB – os módulos 4 e 5 – e para a recuperação do Jardim Botânico Tropical, incluído no plano estratégico de Lamas para o eixo. Na lista de projectos, divididos em três lotes de candidaturas feitas na sequência de avisos/concursos da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, está a Exposição do Mundo Português – Explicação de Um Lugar, que já não vai existir.

António Lamas lamenta que  tenha sido cancelada, mas diz que o trabalho de investigação para ela feito e o catálogo que daí nasceu valem a pena.

Num email enviado ao PÚBLICO ao fim da tarde desta quarta-feira, detalha ainda as contas que deixou e refuta qualquer acusação de ter "delapidado a almofada financeira da Fundação Centro Cultura de Belém". Explica, por exemplo, que o subsídio a receber do Por Lisboa (2,062 milhões de euros) permitiu novos investimentos e actividades no valor de 2,153 milhões de euros, "uma operação de quase custo zero", e que parte do subsídio esperado em 2015 do Fundo de Fomento Cultural (FFC) não foi recebida a tempo do fecho de contas. "Assim, com o subsídio do FFC em falta e com o subsídio do Por Lisboa, as disponibilidades existentes no final de 2015 – saldo transitado para 2016 –, teriam sido quase iguais às dos anos anteriores (cerca de 10,8 milhões de euros)."

Teriam sido, mas não foram porque o subsídio comunitário nunca chegou: "Em todo o caso, as disponibilidades em carteira e depósitos a 31 de Dezembro de 2015 eram cerca de 6,5 milhões de euros, isto é, a gestão que me sucedeu não encontrou 'cofres vazios'", insiste Lamas.