Crítica

Da vida dos surrealistas

Filmes que são como arquivos, arquivos de rostos, vozes, histórias, documentos: Cruzeiro Seixas, As Cartas do Rei Artur, de Cláudia Rita Oliveira; Mário Cesariny, Autografia, de Miguel Gonçalves Mendes.

A energia da presença de Cruzeiro Seixas
Fotogaleria
A energia da presença de Cruzeiro Seixas
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Autografia: uma longa performance de Cesariny
Fotogaleria

Filmes que são como arquivos, arquivos de rostos, vozes, histórias, documentos. Aspectos em comum (mas não os únicos) entre As Cartas do Rei Artur, de Cláudia Rita Oliveira, sobre a figura de Artur Cruzeiro Seixas, recém-apresentado na última edição do DocLisboa, e o mais antigo e agora recuperado (em versão “restaurada”, ligeiramente modificada) Autografia, de Miguel Gonçalves Mendes, que tem Mário Cesariny de Vasconcelos no seu centro. Que é a outra coisa que os irmana, sendo Cruzeiro Seixas e Cesariny personagens paralelas e em relação permanente – ocupando essa relação muito do espaço de As Cartas do Rei Artur, que até vai buscar o seu nome à correspondência, amplamente citada e documentada, entre os dois pintores e poetas, nomes maiores do movimento surrealista português. E num momento de As Cartas Cruzeiro Seixas é posto perante as imagens de Cesariny em Autografia, numa espécie de reencontro “fantasmático” que tem bastante de comovente e que, literalmente, põe um filme a olhar para o outro.

Mais convencional no seu manejo dos trâmites do “documentário de personalidade”, As Cartas do Rei Artur tira a sua energia da presença de Cruzeiro Seixas (a falar para a câmara ou em cenas dum dia a dia a que não faltam as cerimónias e as homenagens), e do seu confronto com a memória, seja a memória pessoal dele seja a memória “material”, a enorme quantidade de documentos, de todo o tipo (textos, fotos, desenhos, registos filmados) que Cláudia Rita reúne. “Não vivi, mas deixarei muitos documentos deste não-viver” – frase exagerada, mesmo “poeticamente”, que Cruzeiro Seixas profere logo no início do filme (e “exagerada” porque tudo nele é manifestação de uma viva vivida), mas que serviria muito bem como epígrafe de As Cartas do Rei Artur, porque afinal de contas o filme é, ele próprio, mais um desses “documentos” do “não-viver”. E ser documento, ser arquivo, é a sua principal virtude.

Como era, e agora tantos anos depois se salienta melhor, Autografia, um filme que Miguel Gonçalves Mendes conquistou à intimidade doméstica de Cesariny. E sendo um “documento”, é também uma longa performance de Cesariny, que em certos momentos se comporta como um actor em teatro para a câmara, e uma singularmente pudica aproximação à (auto-)biografia. Tantos anos depois, continua a parecer aquilo que Gonçalves Mendes acertou melhor: colocar-se naquele espaço bastante exíguo entre a exposição e a reserva, entre o explícito e o implícito, entre a memória material de uma vida (a casa de Cesariny, os objectos nela espalhados) e a memória mais evanescente, aflorada com especial poder nas cenas mais comoventes do filme, as da conversa entre Cesariny e a sua irmã.