Único concorrente da rede Multibanco já tem 300 caixas em Portugal

Euronet Worldwide tem planos para aumentar o número de caixas automáticas destinados, sobretudo, a estrangeiros. Sibs também quer uma fatia do negócio e já lançou a ATM Express para turistas.

Foto
Empresa cotada no Nasdaq quer continuar a crescer no mercado português Nuno Ferreira Santos

Quando se pensa em caixas automáticas para levantar dinheiro, pensa-se na rede Multibanco, gerida pela Sibs. A empresa domina, mas tem agora um concorrente que está a ganhar presença no mercado nacional, a rede Euronet Worldwide.

Apesar de ter sido fundada na Hungria em 1994 e de já estar espalhada por todo o mundo, só começou a operar em Portugal em Maio de 2015. Em quase dois anos de actividade instalou 300 caixas, a maioria concentrada nas zonas de maior afluência turística – áreas metropolitanas de Lisboa, Porto e Algarve. O público-alvo da empresa, cotada no Nasdaq desde 1997, são os turistas e estrangeiros, aos quais disponibiliza três operações: transferências, sistema de pré-pagamentos e levantamentos. Ao PÚBLICO, Nikos Fountas, vice-presidente do grupo e presidente executivo das divisões da Europa, Médio Oriente e África, adiantou que a empresa ainda está a começar a dar os primeiros passos no mercado português, mas tem perspectivas de crescimento.

A Euronet aproveitou o crescimento recorde do turismo para entrar em Portugal num mercado onde lidera a Sibs, como única gestora da rede de multibancos, o nome pelo qual são conhecidas as caixas automáticas em Portugal. Segundo os dados da Sibs, houve uma ligeira descida do número de caixas automáticas activas no país (passaram de 12.469 no terceiro trimestre de 2015 para 12.236 no mesmo período de 2016, ou seja, uma redução de 2%). Mas entre Janeiro e Setembro, o número de operações efectuadas aumentou de 660 mil para quase 678 mil. O valor total de dinheiro levantado também aumentou de 20,8 milhões para 21,1 milhões de euros.

O "irmão" do Multibanco

Tanto a Euronet como a Sibs, entidade liderada por Madalena Cascais Tomé querem disputar o negócio dos turistas estrangeiros, que usam com frequência operações a crédito e não utilizam operações como pagamentos de serviços. Durante a Web Summit, que decorreu em Lisboa entre 7 e 10 de Novembro, a Sibs apresentou a rede ATM Express, o "irmão" do Multibanco e que tem o mesmo fim que as caixas da empresa concorrente (neste caso, os ATM terão a cor laranja, para se distinguirem das tradicionais). "Um estrangeiro que se dirija a um Multibanco tem uma série de operações de que não precisa. Simplificámos o serviço que ele quer mais, que é levantar dinheiro", explicou Maria Antónia Saldanha, directora de comunicação da Sibs, que estima que já no início de 2017 sejam colocadas as primeiras unidades, concentradas, mais uma vez, nas zonas de maior interesse turístico. A primeira máquina é instalada esta semana, no dia 4 de Janeiro, no Rossio.

O acesso às novas caixas pode ser feito com qualquer tipo de cartão e a qualquer hora, e também está disponível o sistema Dynamic Currency Conversion (DCC), que permite ao utilizador que tenha uma moeda de origem diferente do euro o acesso ao câmbio oficial quando levantar dinheiro. Para os clientes, os ATM Express oferecem as mesmas condições da rede Multibanco, com a única diferença dos serviços disponíveis: levantamentos, consultas de saldo e de movimentos”. “Os portugueses continuam a ter ao seu dispor os milhares de equipamentos Multibanco distribuídos pelo País onde podem fazer mais de 60 operações tão convenientes como transferências, carregar o telemóvel ou o passe de transporte”, sublinha Maria Antónia Saldanha. 

Comissões a crédito e não a débito

As novas caixas ATM Express assemelham-se mais ao sistema da Euronet que ao Multibanco, mas os utilizadores portugueses continuam a ter as mesmas condições na hora de efectuarem levantamentos monetários a débito ou a crédito que tinham no Multibanco.

PÚBLICO -
Aumentar

Isto porque, segundo fonte oficial do Banco de Portugal, as instituições de crédito estão proibidas por lei de cobrarem comissões "pela realização de operações de levantamento, de depósito ou de pagamento de serviços, em caixas automáticas (Decreto-Lei n.º 3/2010)", sem que essa proibição esteja limitada pelos tipos de redes de caixas automáticas, mas sim pelo tipo de cartão utilizado e pelas marcas de pagamento aceites pelo caixa automático, que, simultaneamente, integram o cartão de pagamento. "Os levantamentos de numerário efectuados na rede ATM Express encontram-se sujeitos ao mesmo enquadramento regulamentar que aqueles efectuados através de outras redes de caixas automáticas a operar em Portugal (rede Multibanco ou rede Euronet)", refere a mesma fonte.

Contudo, chama a atenção que esta proibição não abrange as operações de levantamento de numerário com cartão de crédito (comissões de cash advance), "pois, nestes casos, está em causa a concessão de um crédito". O Banco de Portugal adianta ainda que o processamento da rede ATM Express "é efectuado através da infra-estrutura da rede Multibanco, assegurando a Sibs a aceitação das operações de levantamento de numerário efectuadas nas caixas automáticas daquela rede".

Euronet quer continuar a crescer

Com uma capitalização bolsista da ordem dos 4000 milhões de dólares (cerca de 3782 milhões de euros), a Euronet teve um volume de negócios de 1772 milhões de dólares em 2015. A dimensão do novo concorrente da Sibs vê-se também pelo número de ATM: são mais de 29 mil, detendo ainda cerca de 156 mil terminais POS, e que garantem perto de 21% da facturação. O resto vem de sistemas pré-pagos e das transferências de dinheiro. Neste último capítulo, a empresa, que conta com 5600 pessoas e tem 59 escritórios em 41 países (a sede é nos EUA), tem vindo a inovar. Em 2015 lançou um sistema de transferência de dinheiro directamente entre caixas automáticas. E a tendência é para continuar a crescer, seja por aquisições (comprou recentemente a XE, uma empresa ligada aos mercados cambiais) seja de forma orgânica. "Tínhamos um plano, a nível mundial, de acrescentar perto de 2000 ATM em 2016 e estamos muito próximos de alcançar esse número. E vamos continuar a ter mais ATM sempre que encontremos boas localizações para eles", afirma Nikos Fountas, destacando que a Euronet está a investir em Portugal ao contratar trabalhadores e fornecedores portugueses.

Texto editado por Ana Rute Silva