"A paz depende de nós", diz Guterres

O ex-primeiro-ministro português começa neste domingo o mandato como secretário-geral da ONU.

António Guterres pretende que 2017 seja “um ano de paz”. Na primeira mensagem oficial como secretário-geral das Nações Unidas – este domingo será o seu primeiro dia em funções – Guterres diz que “há, sobretudo, uma pergunta” que o assalta: “Como ajudar os milhões de seres humanos vítimas de conflitos e que sofrem enormemente em guerras que parecem não ter fim?”

O antigo primeiro-ministro português foi eleito a 5 de Outubro para “a tarefa mais impossível do mundo”, como descreveu há décadas o primeiro a ocupar o cargo, o norueguês Trygve Lie (secretário-geral entre 1946 e 1952). A 12 de Dezembro, Guterres prestava juramento e discursava perante a Assembleia Geral da ONU a favor do progresso de medidas contra o aquecimento global e das reformas na instituição (seja em matéria de orçamento ou de tolerância zero para crimes sexuais das tropas de manutenção de paz).

Agora, na sua mensagem de arranque de um mandato de cinco anos, Guterres chama a atenção para a “mais letal violência” de que são vítimas as “populações civis em vários pontos do globo”. “Mulheres, crianças e homens são mortos ou feridos, vendo-se forçados a abandonar os seus lares, tudo perdendo. Até mesmo hospitais e comboios humanitários são atingidos sem contemplação.” E continua: “Nestas guerras não há vencedores; todos perdem. Gastam-se biliões de dólares na destruição de sociedades e economias, alimentando ciclos de desconfiança e medo que podem perpetuar-se por gerações. Vastas regiões do planeta estão inteiramente desestabilizadas e um novo fenómeno de terrorismo global ameaça-nos a todos.”

O ano que se agora inicia deve ser “o ano em que todos – cidadãos, governos, dirigentes – procurem superar as suas diferenças”, através do “diálogo e do respeito independentemente das divergências políticas”, “por via de um cessar-fogo num campo de batalha ou mediante entendimentos conseguidos à mesa de negociações para obter soluções políticas”, defende. E termina: “A dignidade e a esperança, o progresso e a prosperidade – enfim tudo o que valorizamos como família humana – depende da paz. Mas a paz depende de nós.”

Em Abril, no início da sua candidatura à liderança da ONU, Guterres teve de escrever um documento delineando a sua “visão” para o futuro, uma espécie de programa de governo (o processo de eleição, que terminou com 13 votos favoráveis e duas abstenções dos membros do Conselho de Segurança, foi descrito como o mais transparente de sempre). Nesse documento, a “prevenção” e a “diplomacia da paz” eram já um dos pontos fundamentais. Este trabalho irá exigir “uma diplomacia mais poderosa, mais activa, mais agressiva e mais presente”, como resumiu ao PÚBLICO um diplomata em Nova Iorque, no início de Dezembro.

Quando em 2007 tomou posse, o seu antecessor, Ban Ki-moon, tinha pela frente “os demónios nucleares do Irão e da Coreia do Norte, uma ferida sangrenta no Darfur, uma violência interminável no Médio Oriente, o prisma de desastres ambientais, a escalada do terrorismo, a proliferação de armas de destruição maciça, a epidemia da sida”, enumerava então a revista Economist. Agora, António Guterres não terá a vida mais facilitada e junta-se à lista uma realidade que acompanhou bem de perto enquanto Alto Comissário da ONU para os Refugiados: a maior crise de deslocados desde a II Guerra Mundial, provocada pela guerra na Síria.

Aos desafios vem juntar-se a eleição de Donald Trump para Presidente dos EUA, o país que isoladamente mais contribui para o financiamento da ONU. Crítico das Nações Unidas, não seria surpreendente se Trump reduzisse as verbas, e minimizasse o quanto possível a instituição. Caberá a Guterres – um homem “com carisma” e “sem medo de nomear os adversários nos seus discursos, mesmo que eles estejam em Washington ou em Moscovo”, escreveu o Washington Post depois da eleição – convencer Trump de que tem mais a ganhar se trabalhar com as Nações Unidas.