Rui Moreira e o Norte: “Andamos a carregar o resto do país”

O autarca independente do Porto lamenta que “a obsessão” seja Lisboa: “É um pouco a capital do império.”

Rui Moreira lembra o contributo do Norte para as exportações do país
Foto
Rui Moreira lembra o contributo do Norte para as exportações do país PAULO PIMENTA

Apesar de reconhecer que este Governo tem dado passos no sentido de combater o centralismo, o autarca Rui Moreira continua a ser um crítico feroz da forma como as políticas públicas são geridas, considerando que Lisboa é preferida em relação a outras zonas do país, como o Norte que, sublinha, contribuiu mais para as exportações.

“Não posso deixar de dizer aquilo que, com muitas dificuldades, a indústria do Norte de Portugal tem sabido fazer nas exportações”, começa por dizer o autarca do Porto, numa entrevista ao Porto Canal que será transmitida na íntegra no sábado às 21h00, no programa Júlio Magalhães. Rui Moreira lamenta que as políticas públicas nem sempre tenham em conta essa realidade: “É pena que as políticas públicas nem sempre se lembrem disso, ainda agora andam a falar no porto do Barreiro, que é um disparate, espero não seja verdade, porque de facto é daqui, é do Norte, é do centro, que saem as exportações. Nós olhamos para a balança comercial do Norte de Portugal, é altamente positiva, mas depois olhamos para o país e nós andamos a carregar o resto do país. E a decisão política muitas vezes não nos compensa, é pena que assim seja”, defende.

Para Rui Moreira, quem está em Lisboa a decidir, não conhece bem o resto do país: “Se é para a exportação, sinceramente, as pessoas que lá estão podem ser muito simpáticas, podem ter a maior das vontades, mas não entendem a textura que existe no Vale do Ave, em Paços de Ferreira, em Lousada, em Águeda, porque vivem num mundo diferente. O caso do terminal de contentores do Barreiro é um caso paradigmático. Aquilo pode interessar para libertar a frente de Lisboa de navios e de contentores. Agora, para a nossa exportação conta zero”, insiste, acrescentando mesmo, mais à frente na entrevista, que “a obsessão é na capital, é um pouco a capital do império.”

Além de questionar a relevância ao projecto da construção do porto do Barreiro, Rui Moreira considera que também a TAP é um caso de “empresa municipal de Lisboa” que não serve todo o país: “A questão da TAP está vista. 50% daquilo é nosso e não vejo onde é que nos prestam serviço público. Presta um serviço público a Lisboa, não presta um serviço público ao resto do país, não presta a Faro, não presta ao Porto, à Madeira, aos Açores. É quase como se fosse uma empresa municipal.”

Apesar de continuar a considerar que “na economia privada o centralismo é absoluto”, Rui Moreira reconhece que “este Governo tem dado passos no sentido de inverter essa situação do centralismo”.