Autor do ataque de Berlim terá passado pela Holanda antes de chegar a Itália

Anis Amri terá saído de Berlim para a Holanda, seguindo depois para França onde viajou de comboio até Itália, onde foi morto.

A polícia diz que “há sinais” de que Amri tenha feito um percurso que incluiu os Países Baixos na rota até Itália
Foto
A polícia diz que “há sinais” de que Amri tenha feito um percurso que incluiu os Países Baixos na rota até Itália AFP/JOHN MACDOUGALL/arquivo

A polícia holandesa está a investigar o percurso que Anis Amri, o autor do ataque ao mercado de Natal em Berlim, terá feito desde a sua saída dessa cidade até chegar a Itália. A investigação aponta para que Amri tenha passado pela Holanda, depois França e daí terá partido para Itália, onde foi morto pelas autoridades, em Milão. A notícia é avançada esta quarta-feira pelas agências Reuters e AFP.

A polícia diz que “há sinais” de que Amri tenha feito um percurso que incluiu a Holanda na rota até Itália. Amri terá alegadamente passado por algumas cidades do Este holandês, tendo aí adquirido cartões SIM para um dispositivo móvel.

A AFP traça, citando fontes não identificadas, o percurso que o tunisino terá feito. Dois dias depois do ataque que vitimou 12 pessoas, o tunisino terá viajado de autocarro na noite de 21 para 22 de Dezembro para a estação de Nijmegen, na Holanda junto à fronteira com a Alemanha, e daí para a estação ferroviária de Lyon-Part-Dieu.

Amri foi avistado nas câmaras de vigilância desta estação nos registos de imagem de 22 de Dezembro. Seguiu para Chambery, onde terá viajado de comboio até Milão, cidade em que foi morto junto à estação de comboios de Sesto san Giovanni num controlo ocasional, em que lhe pediram os documentos de identificação, que ele não tinha.

O Daesh confirmou que o suspeito tunisino abatido pelas autoridades italianas em Milão foi o autor do ataque ao mercado de Natal em Berlim. A confirmação foi feita num comunicado divulgado pela Amaq, agência do autoproclamado Estado Islâmico, que já tinha reivindicado o ataque.

Sugerir correcção