Reportagem

“Não fazemos escolhas. Temos os alunos que Deus nos dá”

Estabilidade do corpo docente e motivação dos alunos revelaram-se decisivas para um projecto de ensino que se propõe formar “cidadãos do mundo”, mas sem esquecer que as suas raízes são alentejanas.

Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Nos cafés, praças e ruas de Beja, por telemóvel, através do Facebook ou das rádios locais, a mensagem difundia-se no início da semana, com expressões de “orgulho” que não se disfarçavam. A escola que já foi industrial e comercial tinha passado à frente de “um porradão de umas quantas”, ouviu-se num comentário à porta do talho do Veríssimo. E este dado era algo nunca visto na região. “Só ouvíamos falar de escolas mal classificadas, com turmas ruins, falta de professores e de funcionários, fraco aproveitamento escolar”, comparou um antigo aluno da escola que agora a vê “no topo”.

No ranking do PÚBLICO, a Escola Secundária D. Manuel I ocupa o 32.º lugar num universo superior a mil estabelecimentos de ensino, com base nos exames de Matemática e Português do 9.º ano. É a primeira escola pública nesta listagem. Acresce que 74,2% dos alunos do 3.º ciclo não chumbaram no 7.º, 8.º e exames do 9.º ano, o que lhe dá a 7.ª posição a nível nacional.

“Não fazemos milagres nem escolhas. Temos os alunos que Deus nos dá”, realçou ao PÚBLICO Maria José Chagas, directora do agrupamento de escolas n.º 2 de Beja, de que faz parte a secundária D. Manuel I. Assinala que há dois factores que também “têm o seu peso no ranking: o grau de dificuldade dos exames e o empenhamento dos alunos”.

“Fomos bem preparados, aprendemos muito. Os professores foram importantes para alcançarmos boas notas”, afirma Teresa Palma, uma das alunas que frequentaram o 9.º ano em 2015/2016. Destaca ainda “o ambiente saudável que se vive na escola”, diz que é uma “zona livre de bullying”, acrescentando que nos conflitos entre colegas, “que os há, não se recorre à violência”.

João Gouga partilha da satisfação da colega. “Nos exames, senti-me bem preparado e até foram superfáceis”, recorda. Por seu turno, Igor Águas diz ser muito bom saber que a escola se destaca entre muitas. “Normalmente não falam de coisas positivas quando se referem à nossa terra”, comenta.

Já Mariana Figueira é menos assertiva no desempenho dos professores, frisando que apenas lhe bastou “estudar na semana antes dos exames para ter boa notas”, mas também diz o seguinte: “É um orgulho para nós que uma escola do interior tenha conseguido ficar bem classificada no ranking.”

Manuel Coelho, aluno do 11.º ano e presidente da associação de estudantes, afirma que o mérito para chegar aos resultados do ranking “é em primeiro lugar dos alunos e dos professores e até pode contribuir para estimular os jovens a ficar pelo Alentejo, pela boa imagem que dá da região”.

Alunos e professores empenhados

Os resultados acontecem porque temos “alunos empenhados, pais atentos e corpo docente estável e dedicado”, acrescenta Maria José Chagas, frisando, contudo, que a dedicação dos alunos não nasce espontaneamente. “Precisamos de investir muito nas actividades curriculares e extracurriculares”, como conferências sobre projectos científicos e tecnológicos, “para contrariar as inibições por sermos uma região do interior e incutir a ideia de que somos cidadãos do mundo, mas sem esquecer as nossas raízes alentejanas”, observa.

A estreita colaboração entre a direcção da escola e a associação de pais foi também realçada pelo seu presidente, Luís Estevens. “A directora criou um bom clima de trabalho. Não é uma liderança partilhada, mas também não é ditatorial. Sabe ouvir as outras pessoas.”

Lamenta a pouca adesão dos pais, frisando que a vida da associação de pais “não tem sido regular”, constrangimento que obriga a recorrer a meios tecnológicos e redes sociais, sobretudo ao Facebook. “Registamos com agrado que temos, com frequência, cinco mil visualizações”, numa cidade com 25 mil habitantes.

“Enquanto pai e presidente da associação, fico satisfeito pelo que tem sido feito pelos professores, alunos e pais para alcançar os resultados que nos destacam a nível nacional”, vinca Luís Estevens.

O depoimento de Paula Cabral, mãe de um aluno que frequenta o 9.º ano, sintetiza a opinião expressa por outros pais ouvidos pelo PÚBLICO. Diz ter escolhido a escola D. Manuel I, depois de recolher informações sobre a qualidade dos professores e o ambiente escolar. “Os resultados têm sido satisfatórios” desde que o filho ali se matriculou, no 7.º ano. “Tem boas notas, a turma é equilibrada e mantém-se, praticamente, com os mesmos professores”, de que destaca a “preocupação e empenhamento”.

Veja a lista ordenada das escolas