Sem acordo para a saída de Kabila, Congo prepara-se para mais violência

Presidente da República Democrática do Congo quer manter-se no poder, desafiando a limitação constitucional. Oposição convocou manifestações para este domingo.

Joseph Kabila está no poder na República Democrática do Congo desde 2001
Foto
Joseph Kabila está no poder na República Democrática do Congo desde 2001 Reuters/Tiksa Negeri

As negociações entre o Governo e a oposição para pôr fim à crise política na República Democrática do Congo foram adiadas para a próxima semana, depois do falhanço em chegar a um acordo sobre o futuro político do Presidente, Joseph Kabila, cujo terceiro mandato termina esta segunda-feira.

Teme-se o regresso da violência ao Congo nos próximos dias, perante o impasse na definição da situação política no país de 79 milhões de habitantes. Desde o início de Dezembro que os partidos da oposição e o círculo próximo de Kabila estão envolvidos em negociações, mediadas pela Igreja Católica, para tentar marcar eleições presidenciais.

Porém, o objectivo imediato já falhou. Kabila vai manter-se no poder após o término oficial do seu terceiro mandato – e último, segundo a Constituição –, marcado para segunda-feira. Os negociadores pretendem regressar às conversações na quarta-feira, mas teme-se que seja já demasiado tarde para evitar confrontos nas ruas. Pretende-se chegar a acordo para que seja aberto um período de transição para a saída de Kabila e para que sejam organizadas eleições presidenciais.

O Governo diz que não há condições para que seja possível marcar eleições antes de 2018, por causa da desactualização dos cadernos eleitorais. Mas a oposição vê nestas justificações apenas uma forma de Kabila tentar manter-se no poder, para proteger os interesses económicos que acumulou ao longo dos seus 15 anos como Presidente.

A incerteza na República Democrática do Congo tem levado a confrontos violentos. Em Setembro, dezenas de pessoas foram mortas pelas forças de segurança e as sedes dos partidos da oposição foram incendiadas. Para este domingo estão marcados novos protestos na capital, Kinshasa, e o falhanço das negociações vem agravar as preocupações de que haja confrontos violentos. Para tentar tirar força às manifestações, o Governo vai bloquear o acesso às redes sociais durante várias horas este domingo, segundo a Radio France Internationale.

“Há um sério risco que o Congo possa mergulhar na violência generalizada e no caos nos próximos dias, com repercussões potencialmente voláteis em toda a região”, avisa o director-executivo da Human Rights Watch, Kenneth Roth.

Na sexta-feira, o Governo belga aconselhou os seus cidadãos “cuja permanência não seja essencial” a não viajar para o país e pediu “grande vigilância” aos que vivem no Congo – calcula-se que haja quatro mil belgas a viver na antiga colónia. No início do mês, o Departamento de Estado norte-americano já tinha divulgado um alerta para a possibilidade de “manifestações em larga escala e instabilidade civil em torno do dia 19 de Dezembro”.