Açores têm 40% do total de fundos comunitários com candidaturas aprovadas

Estão em execução mais de 700 novos projectos de investimento, que representam mais de 638 milhões de euros de novos investimentos.

Foto
Eixos referentes à inclusão social e combate à pobreza são dos que têm maior taxa de execução Paulo Pimenta

O vice-presidente do Governo Regional dos Açores, Sérgio Ávila, revelou esta sexta-feira que estão aprovados na região projectos que correspondem a 40% do total dos fundos disponíveis no quadro comunitário 2014-2020.

"Já foram aprovados e estão em execução mais de 700 novos projectos de investimento, que representam mais de 638 milhões de euros de novos investimentos", salientou, na abertura da quinta reunião do Comité de Acompanhamento do Programa Operacional dos Açores 2020, em Angra do Heroísmo.

Segundo Sérgio Ávila, dos 714 projectos aprovados no quadro comunitário que arrancou há dois anos, 45% já foram executados e receberam pagamento.

"Significa que foi injectado na economia regional, entre reembolsos de despesa e adiantamentos, mais de 206 milhões de euros, em menos de dois anos", adiantou, acrescentando que os eixos referentes à inclusão social e combate à pobreza e à competitividade das empresas regionais são os que têm maior taxa de execução.

O vice-presidente do executivo açoriano considerou que estes números indicam que os Açores deverão conseguir alcançar uma "execução plena" dos fundos comunitários à semelhança do que aconteceu no anterior quadro de apoio.

"Esta realidade comprova que o nível de execução e operacionalização do actual quadro comunitário de apoio superou em muito as expectativas iniciais e que o ritmo de execução do novo programa operacional é superior ao que corresponderia a programação inicial", frisou.

No actual quadro comunitário os Açores têm uma dotação financeira global de mais de 1.136 milhões de euros.

À margem do encontro, o vice-presidente do Governo Regional realçou que, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, o Produto Interno Bruto (PIB) real da região teve um crescimento "superior à média nacional", sendo o dobro do que se verificou no ano anterior.

Questionado sobre as declarações do líder da CGTP/Açores, que disse, na segunda-feira, que a taxa de desemprego na região mais do que duplicaria se fossem contabilizadas "as pessoas em programas de emprego, subempregadas e inactivas", Sérgio Ávila alegou que os números do desemprego "são apurados pelo Eurostat e pelo Instituto Nacional de Estatística, não são números da região".