Curso dos Comandos: inspecção desaconselha racionamento de água

Inspecção-Geral do Exército concluiu que é necessário fazer uma revisão de vários procedimentos do curso dos Comandos.

Foto
Relatório sugere “as entrevistas clínicas, ajustamento da bateria de exames médicos e melhor partilha da informação clínica" Rui Gaudencio

Depois de dois meses de investigação, a Inspecção-Geral do Exército (IGE) concluiu que é necessário fazer a revisão dos procedimentos do curso dos Comandos. E desaconselha o racionamento de água.

A inspecção aconselha ainda que se faça "uma análise mais aprofundada da conjugação do treino físico militar com as restantes actividades de formação com características físicas", com o objectivo de se "optimizar" a relação entre o esforço físico e o período de recuperação.

Os relatórios das autópsias dos dois recrutas que morreram em sequência de um treino no 127.º curso de Comandos a 4 de Setembro confirmaram que as mortes não puderam ser evitadas devido à desidratação extrema resultante de um golpe de calor.

O relatório da inspecção, cujos resultados foram divulgados nesta quinta-feira em comunicado do Exército, sugere ainda que nas provas de classificação e selecção sejam revistas “as entrevistas clínicas", se faça um "ajustamento da bateria de exames médicos" e se verifique uma "melhor partilha da informação clínica”.

A inspecção teve como objectivo avaliar os processos relativos às provas de classificação e selecção no curso de Comandos e deixa mais recomendações. Como esta: é necessário "aprofundar e reforçar a formação de formadores e comandantes em socorrismo para permitir uma melhor identificação de sinais de alerta nos formandos".

Segundo o comunicado assinado pelo porta-voz do Estado-Maior do Exército (EME), tenente-coronel Vicente Pereira, a inspecção foi feita por especialistas em Medicina, Educação Física, Psicologia e em metodologias de formação em contexto militar.   

Em sequência do relatório, o Chefe do Estado-Maior do Exército determinou que os próximos cursos de Comandos se mantêm cancelados até à realização “com carácter de urgência” de uma avaliação do sistema de informação clínica, cujos resultados lhe deverão ser apresentados até 20 de Janeiro, “a reavaliação das provas de classificação e selecção para as tropas especiais”, até 27 de Janeiro, e a continuação da elaboração dos referenciais do Curso de Comandos.