Facebook vai sinalizar notícias falsas

Rede social alia-se a uma rede de fact-checking para sinalizar peças de propaganda e fecha a torneira à indústria dos boatos.

Foto
Depois de relativizar o problema, a rede social fundada por Mark Zuckerberg declara guerra às notícias falsas. AFP PHOTO/FACEBOOK/NOAH KALINA

Depois de a campanha presidencial norte-americana ter trazido para a primeira linha do debate público o problema da propagação de notícias falsas – boatos ou peças de propaganda disfarçadas de notícias – o Facebook anunciou nesta quinta-feira que vai começar a denunciar e punir tentativas de desinformação, apresentando um primeiro conjunto de ferramentas para o efeito.

A rede social não vai decidir o que é verdadeiro ou falso, mas vai adicionar às partilhas um alerta a indicar que a veracidade de uma informação é disputada por equipas de verificação de factos (ou fact-checking, em inglês) e de que forma é que estas fundamentam a sua contestação. Estas equipas pertencem à rede internacional de fact-checking do Instituto Poynter, uma das mais reputadas escolas de jornalismo dos Estados Unidos, e incluem sites de desconstrução de mitos e boatos como o Snopes ou o PolitiFact. Continuará a ser possível partilhar posts potencialmente enganadores, mas será exibido um anúncio a dizer que a sua veracidade é contestada.

O vice-presidente do Facebook para o desenvolvimento do produto, Adam Mosseri, explicou ao Washington Post que, numa primeira fase, os principais alvos desta ofensiva vão ser sites fraudulentos que se apresentam como jornais e cadeias de televisão credíveis. Artigos controversos ou até incorrectos de organizações noticiosas verdadeiras não vão ser abrangidos pela ferramenta. O objectivo, sustenta a rede social, é combater “os piores dos piores” através de um sistema que, num primeiro momento, sinaliza um post potencialmente falso a partir de índices invulgares de viralidade: por exemplo, um número elevado de partilhas por quem não leu sequer a suposta notícia, contra um valor reduzido de partilhas após a leitura do artigo. Num segundo momento, o post é então submetido a uma prova dos factos.

O Facebook está a testar ainda a possibilidade de os utilizadores da rede social denunciarem mais facilmente um post como sendo uma notícia falsa. Um número elevado de denúncias resultará no reencaminhamento do artigo para as equipas de fact-checking.

Numa altura em que a difusão de boatos se tornou num negócio, o Facebook pretende também punir financeiramente os propagandistas. Os posts contestados pelos fact-checkers vão perder protagonismo na timeline da rede social e não poderão ser promovidos através de publicidade paga. O Facebook irá ainda bloquear sites publicitários que simulam páginas fidedignas de informação – uma táctica que é habitualmente empregue por quem faz dinheiro com a propagação de boatos como a falsa notícia da morte de um cantor famoso.

Estas novas funcionalidades encontram-se de momento em fase de teste e serão visíveis por um número inicialmente reduzido de utilizadores do Facebook.

O problema da difusão de notícias falsas não atinge apenas a rede social fundada por Mark Zuckerberg, com outras redes de menor dimensão e motores de busca como o Google a serem acusados de facilitar a propagação de boatos. No entanto, o Facebook é colocado no centro do debate devido à sua dimensão ímpar, caminhando rapidamente para os dois mil milhões de utilizadores, e pela reacção inicial de Zuckerberg à alegação de que a rede teria inadvertidamente influenciado o resultado das eleições norte-americanas de 8 de Novembro, considerando-a “uma ideia um bocado louca” e minimizando a questão.

Esta primeira abordagem terá sido criticada por um grupo de funcionários do próprio Facebook, e Zuckerberg esclareceria a 19 de Novembro que a empresa “leva a sério o problema da desinformação”, instando os utilizadores a participar na tarefa. Hoje, e citado desta vez pelo New York Times, Mosseri veio confirmar a inflexão: “Valorizamos realmente o propósito de darmos uma voz às pessoas, mas também cremos que temos de assumir a responsabilidade pela difusão de notícias falsas na nossa plataforma”.