Torne-se perito

Trump é uma "criança ignorante", diz jornal estatal chinês

Telefonema entre o futuro ocupante da Casa Branca e a Presidente de Taiwan pode ser o início de uma “crise real” entre EUA e China.

Donald Trump também falou do assunto afirmando que não precisa de se vincular a uma política de "uma só China"
Foto
Donald Trump também falou do assunto afirmando que não precisa de se vincular a uma política de "uma só China" Reuters/CARLO ALLEGRI

O telefonema do Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, e da Presidente de Taiwan continua a fazer eco na China. Agora, o jornal estatal chinês Global Times publicou um editorial onde apelida Trump de “criança ignorante”, cita a CNN.

A conversa entre Trump e Tsai Ing-wen foi o primeiro contacto conhecido entre um Presidente (ou Presidente eleito) dos EUA com um líder de Taiwan desde que Washington quebrou as relações diplomáticas com a ilha, em 1979. A China considera Taiwan uma província e o telefonema de Trump pode irritar a grande potência económica e militar asiática.

Desta maneira, o jornal chinês considera que “a política ‘uma China única’ não pode ser vendida ou comprada. Trump parece que só percebe de negócios e acredita que tudo tem um preço e que, se for forte o suficiente, pode comprar e vender à força”.

A mesma publicação alerta que o abandono por parte da administração de Trump da política “uma China única” pode originar uma “crise real”.

Donald Trump falou sobre a polémica neste domingo, desvalorizando os efeitos da conversa com a chefe de Estado de Taiwan. “Eu entendo totalmente a política ‘uma China única’, mas eu não sei por que temos de nos vincular à política ‘uma China única’ a menos que façamos um acordo com a China referente a outras coisas, incluindo o comércio”, defendeu Trump, em declarações à Fox News.

China "seriamente preocupada" com Trump

O porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês afirmou, por seu lado, que a cooperação entre a China e os EUA “está fora de questão” se Washington não reconhecer o interesse de Pequim em Taiwan, indicando assim que rejeitaria qualquer esforço por parte de Trump em utilizar esta questão diplomática como moeda de troca para questões comerciais ou económicas.

“A China tomou nota do relato e expressa preocupações sérias sobre isso. Quero reforçar que a questão de Taiwan diz respeito à soberania da China e à integridade territorial, e envolve os interesses fundamentais da China”, afirmou Geng Shuang citado pela Reuters e em resposta à entrevista do futuro Presidente dos EUA neste domingo.

O porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros explica ainda que a “manutenção do principio ‘uma China única’ é a base política” das relações bilaterais entre Pequim e Washington. Desta maneira, e se alguma coisa interferir nesta matéria, a cooperação entre os dois países em “importantes áreas está fora de questão”, garantiu Shuang.