Opinião

Saturno e os seus filhos

Sai Cameron e sai Renzi. Repare na coincidência: ambos tinham grande maioria parlamentar. Não foram as instituições que lhes faltaram, foi o povo,

Calma. Os prognósticos do apocalipse eram um pouco exagerados. Vinham de todas as partes, é certo: os opositores do "Brexit" anunciavam a catástrofe se o Reino Unido escolhesse sair da União Europeia, muitos continentais suspiravam por um momento clarificador que iluminasse os erros da instituição europeia. E, no entanto, “os mercados”, o termómetro dos nossos dias, não tugiram nem mugiram. Nem há recessão no Reino Unido, nem os capitais fugiram, nem a União desbancou.

O mesmo em Itália. O referendo deu uma maré contra Renzi e os seus planos de concentração de poder torcendo os resultados eleitorais (ele que é primeiro-ministro sem ter ido a eleições), mas “os mercados” mantiveram-se na sua. Resumindo: o "Brexit" ainda fica por mais uns tempos e Itália não é o "Brexit".

O problema é a partir daqui. Porque, calma, Itália não é o "Brexit" que não é nada que assuste, e depois França não é o "Brexi"t nem é Itália, a Áustria é um sossego, a Holanda não é França, a Alemanha não é a Holanda, todos os casos são diferentes e todos são o mesmo problema: a União, como Saturno, está a devorar os seus filhos. Calma, portanto, mas atenção que isto é ainda pior do que parece.

Sai Cameron e sai Renzi. Repare na coincidência: ambos tinham grande maioria parlamentar. Não foram as instituições que lhes faltaram, foi o povo, ao ponto de, iludidos pela tentativa cesarista de um referendo, terem recorrido em ambos os casos a jogos políticos que precipitaram a sua queda. Depois, sai Hollande e sairá provavelmente Dijsselbloem ou quem o segura e logo veremos quem mais. Saturno vai atrás de todos os seus filhos, metódica e gulosamente.

De facto, a UE já não tem liderança visível. Tem uma chefia relutante e prostrada, Merkel, que, depois do fracasso do acordo com a Turquia sobre os refugiados, se retirou para cuidar das suas eleições (como Costa lembrou há dois dias, nada se fará na Europa até Outubro de 2017, quando se votar na Alemanha). A UE tem ainda bombeiros incendiários nos países de Leste, tem cimeiras “refundadoras” todos os semestres, tem discursos desconexos e, na falta de tudo o mais, tem apelos aos “valores” para comover os crentes. Essencialmente não sabe o que fazer, desde que não faça nada.

Nesta paralisia, Saturno é o perigo: o que devora os governantes é a irrelevância e é portanto o tempo que passa. Perdida a capacidade de responderem no plano nacional à crise económica, ficaram reféns das agências de rating; desistindo da democracia parlamentar para votarem orçamentos, assentaram em regras sem legitimidade; reduzindo a política à arte da espera por um milagre, ficaram reduzidos ao espectáculo. E o espectáculo não basta para entreter todo o dia.

Por isso é que a calma dos “mercados”, em Itália e no Reino Unido, é o que deve assustar. Prolongar a agonia de uma recuperação medíocre que deixa os jovens no desemprego, virar os olhos às guerras do petróleo e aos muros contra os seus refugiados, essas opções agravam divisões, desconfiança e corrosão social, ou seja, são o trabalho de Saturno.

A União destrói-se por dentro, porque é divergência e não é União. Ou seja, a calma europeia é somente medo. Medo de que já este fim de semana seja preciso injectar uns milhares de milhões no Monte dei Paschi di Siena, medo de que depois venha o Unicredit, medo de que o Deutsche Bank dê de si, medo do dominó. Mas, mais do que tudo, a Europa tem medo de todas as eleições, foi a isto que desceu.

A diferença é esta: já houve Berlusconi e Sarkozy no Conselho Europeu e, com Trumps avant la lettre, a coisa ia bem desde que os tratados se empinassem para impor as regras do euro; agora o vírus da desconfiança dilacera os regimes, desfaz os partidos do pós-guerra, tornou-se um calvário de desmantelamento. É o trabalho de Saturno.