A fileira do fumeiro é tradição em Montalegre mas precisa de se modernizar

A candidatura aos apoios do programa Portugal 2020 é uma aposta da Câmara de Montalegre para incentivar ao investimento nesta indústria tradicional, que precisa de se modernizar para se tornar um sustento viável para as famílias dos produtores.

Fotogaleria
Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã
Fotogaleria
Boaventura Moura
Fotogaleria
Boaventura Moura
Fotogaleria
Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã
Fotogaleria
Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã
Fotogaleria
Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã
Fotogaleria
Boaventura Moura

Estamos na época alta da fumeiro no norte do país. Montalegre, em Vila Real, acolhe o tempo frio de braços abertos porque este é o melhor para a produção das carnes e enchidos. E este ano é especial pela candidatura da fileira aos fundos europeus do Portugal 2020. O projecto “Fumeiro de Montalegre – Cooperar para competir e desenvolver” foi elaborado pela Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã, em parceria com a Câmara de Montalegre, e vai dispor de 500 mil euros, que permitirão introduzir novos métodos de fabrico, aumentar a competitividade do sector e atrair jovens para uma actividade fundamental para a região, mas que precisa de se modernizar.

“Aqui toda a gente faz parte do fumeiro” afirma Rosa Moura. A produtora, que integra a Associação dos Produtores, recorda que aprendeu a actividade em família: “Comecei de pequenita, porque via os meus pais a trabalharem e depois participava na matança do porco. Era uma festa nesse dia, toda a gente participava, e depois víamos fazer o fumeiro. A minha mãe sempre fez, a minha avó também, e eu estudei em Braga para também poder trabalhar nisto”. A tradição da Terra Fria Barrosã ditava que todas as mulheres aprendessem o ofício e Rosa não foi excepção. Já as suas duas filhas – uma é enfermeira em Londres, a outra é fisioterapeuta em Vila do Conde – não lhe seguiram as pisadas. “Têm os empregos delas, mas sabem fazer e ajudam quando vêm cá aos fins-de-semana e feriados, e sabem que um dia podem trabalhar nisto se precisarem”. Mas Rosa aceita a opção das filhas: são apenas duas entre os muitos jovens na região que “procuraram outros ventos, outras vidas” que não passem pela tradição do fumeiro. “É uma coisa de muito trabalho, muito esforço. Para os mais novos é muito complicado porque é preciso um grande investimento para começarem, e com a agricultura tão em baixo, é natural que não o possam fazer”.

Mas há que arranjar formas de atrair os jovens e ali manter os que já tenham tradição familiar no negócio, porque a indústria tem “um peso muito significativo, tanto pelo volume e oportunidade de negócio para cada um dos 200 produtores de fumeiro como, sobretudo, pela oportunidade de fixação dos jovens e consequente sustentabilidade do território barrosão”, explicou Orlando Alves, presidente da Câmara de Montalegre. Fernando Pereira, responsável de comunicação da Associação dos Produtores, acrescentou que, sendo Montalegre um território de base rural, onde a agricultura é o suporte socio-económico das populações, “esta arte assume uma grande importância e está bem enraizada”. Mas “apenas há poucas décadas começou a ser valorizada economicamente. Hoje, esta fileira já pode ser encarada como uma alternativa de criação da própria empresa e do próprio emprego”, acrescenta.

Mas ainda não pode ser considerada viável a tempo inteiro. Mesmo aqueles que apostam nela, precisam de alternativas para os restantes meses do ano em que a actividade no fumeiro, só por si, não chega. É o caso de António Teixeira. Ele e a mãe, Rosa Correia, fazem parte da Associação dos Produtores e admitem que a fileira apenas rende nos dias da Feira do Fumeiro. “Nessa altura há imensa gente, muito movimento, mas no resto do tempo não”, explica Rosa. Confessa que começou a trabalhar na produção do fumeiro há dez anos, por não ter na altura outra actividade. “Aprendi com a minha mãe e com as avós, vemos como se faz e fazemos também”. E, nos últimos seis anos, tem o filho consigo. António reconhece que a actividade não chega para pagar as contas e o resto que é preciso, por isso também é agricultor e tem um talho. Admite que se juntou à mãe na fileira do fumeiro por querer “promover um produto da terra”, mas compreende a tendência crescente dos jovens que viram costas ao fumeiro e apostam noutras saídas: “Isto não chega para uma pessoa se manter. Ninguém pode ficar só com isto”.

Também Rosa tem no fumeiro um complemento sazonal à agricultura e criação de animais. Além dos porcos destinados ao fumeiro, ainda cria vacas e é a agricultura que a sustenta ao longo dos meses mais quentes. “Acabamos por usar no fumeiro aquilo que sobra, porque não conseguimos vender todos os produtos, por isso escoamo-los aqui. Centeio, abóbora, hortaliça, cenoura, usamos tudo na produção dos enchidos”.

Foto

Os apoios do Portugal 2020

Para Fernando Pereira, a candidatura permitirá a valorização do fumeiro de Montalegre “através da capacitação e rejuvenescimento do tecido empresarial, com vista a criar uma fileira com identidade própria, diferenciadora, competitiva e de excelência, capaz de se tornar num vector de desenvolvimento e atractividade de Montalegre, ajudando a promover o património natural e cultural, aumentar a visibilidade e capitalizar o potencial turístico – Parque Natural Peneda-Gerês, Pitões da Júnia, Ecomuseu de Barroso, barragens e albufeiras, entre outros”.

O concelho de Montalegre enquadra-se na categoria das regiões menos desenvolvidas (onde o PIB per capita é inferior a 75% da média da UE) e onde a taxa de co-financiamento dos fundos do Portugal 2020 é de 85%. Ainda assim, o presidente da Câmara acusa o “pouco impacto na dinamização do mundo rural” que o programa trará: “É pequeno o envelope financeiro destinado ao desenvolvimento regional. Pequeno e muito burocratizado, o que faz com que uma grossa fatia de interessados desista à primeira contrariedade”. A culpa, a seu ver, é do governo anterior, que acertou com Bruxelas “um acordo de parceria interna e pouco virada para o apoio ao mundo rural": “Investir no mundo rural, na floresta, na elaboração do cadastro da propriedade rústica para que possa ser dimensionada à escala empresarial, é o que nunca ninguém quis fazer. O país continuará assim a despovoar-se a ser continuadamente desequilibrado e cada vez mais pasto para as chamas”.

Foto

Para mudar este cenário, a candidatura aos apoios é importante, e levará a uma aposta na melhoria da comunicação, com a definição de uma visão estratégica de marketing para atrair e fidelizar o consumidor. Serão criadas páginas no Facebook e no Linkedin e ainda um canal no Youtube. Para Orlando Alves, as tecnologias e plataformas de comunicação são essenciais: “Digamos que são as alavancas de que o manuseamento e promoção dos produtos precisam e não dispensam. Colidem com a obstinação de alguns produtores que resistem à mudança e teimam em operar nos moldes em que os seus antepassados o faziam”. Reforça ainda a importância das vendas online, uma ferramenta a que julga que a Associação de Produtores “tem de deitar mão envolvendo, naturalmente, todos quantos entendam o funcionamento desta forma de estar no comércio global”.

Do conjunto de desafios que a indústria enfrenta conta-se o tecido empresarial maioritariamente constituído por micro e pequenas empresas (muitas delas familiares e tradicionais), o baixo nível de cooperação, elevada média de idades e reduzido nível médio de escolaridade dos agentes da fileira, e a necessidade de modernizar os processos de produção e de melhorar os baixos índices de produtividade e competitividade. Há ainda obstáculos ao acréscimo de valor aos produtos e a diferenciação dos mesmos, e a fraca capacidade de desenvolvimento de novos produtos. Além disso, ainda se regista o elevado nível de emigração, a desertificação e envelhecimento populacional do concelho e a pouca predisposição dos produtores para a internacionalização dos seus produtos.

A bênção do Inverno

Os meses mais frios são propícios à produção de fumeiro porque “aqui é tudo ao natural, não se usam conservantes nem aditivos, só sal e frio para conservar as carnes”, conta Rosa Moura. É também por isso que o maior evento anual da Associação dos Produtores, a Feira do Fumeiro, se realiza nesta altura. Este ano decorre entre 26 e 29 de Janeiro e os participantes esperam que corra melhor que o ano passado, quando a OMS veio fazer um paralelo entre o consumo de carnes processadas e cancro.

Contudo, a Associação dos Produtores defende que as notícias que davam conta destes efeitos não esclareciam a população para o facto de que “apenas alguns conservantes usados no processamento e fabrico de carnes e fumeiro, nomeadamente os nitritos de potássio e nitrito de sódio (E249 e E250), são responsáveis pela alta incidência de doenças oncológicas no tracto digestivo, fruto do consumo reiterado desses produtos que contenham esses conservantes”, explicou Boaventura Moura. O presidente da Associação esclareceu ainda que no fumeiro tradicional de Montalegre “não são adicionados quaisquer químicos para a correcta conservação do fumeiro”: “Montalegre tem condições climatéricas especificas, nomeadamente baixas temperaturas e humidade relativa do ar baixa, o que torna possível o fabrico de fumeiro apenas com ingredientes naturais que têm também propriedades de conservação, como o sal, o alho, o vinho, o pimento, etc.”.

Foto

“Quando começaram a dizer nas notícias aquilo que se usava noutros lados para conservar as carnes, nós dizíamos ‘o quê? O que é aquilo?’, porque nós cá não sabemos o que são aquelas coisas”, revela Rosa Moura. “Nós não pomos nada disso, é tudo ao natural”. Boaventura Moura esclarece ainda que todos os animais que dão origem aos produtos da Feira do Fumeiro são criados localmente ao ar livre e que, por isso, são marcados com os símbolos dos produtores, para que os compradores “saibam com o que contar”.

Essa relação de fidelidade permanente dos residentes de Montalegre e arredores à feira é vista por Orlando Alves como “responsável e afectuosa”. “Hoteleiros, empresários da restauração, comerciantes e povo em geral, todos vêem na fileira do fumeiro um pilar de sustentabilidade e desenvolvimento do território. A feira é oportunidade de negócio, é manifestação cultural, é expressão do ser e do sentir, e é afirmação do barrosismo em que todos se revêem e por cuja continuidade se afirmam e lutam”.

Texto editado por Ana Fernandes