PSD já escolheu candidato à Câmara do Porto, só falta fazer o convite

Há algum tempo que se fala na possibilidade de os sociais-democratas fazerem frente a Rui Moreira, no Porto, com outro independente. A escolha está feita. Chama-se Álvaro Almeida e é ex-presidente da ERS.

Foto
Neste momento, a escolha do PSD para a Câmara do Porto recai sobre Álvaro Almeida NFACTOS/FERNANDO VELUDO

“Álvaro Almeida, independente, professor e ex-presidente da Entidade Reguladora da Saúde, muito próximo de Paulo Macedo”, é a frase que um responsável do PSD usa para descrever, ao PÚBLICO, o homem que assumirá uma candidatura à Câmara do Porto em nome do PSD. Há muito que entre os sociais-democratas se falava na possibilidade de Rui Moreira vir a defrontar outro independente nas próximas autárquicas, mas só na última semana a escolha do PSD terá ficado encaminhada, com o conhecimento do líder do partido. Álvaro Almeida até já terá sido sondado, mas o convite formal aguarda a luz verde das estruturas locais. “É uma candidatura que está a ser construída em grande clima de diálogo interno”, assume um dirigente do partido.

Ao que o PÚBLICO apurou, a escolha não se terá ficado pelo cabeça de lista do PSD à Câmara do Porto. O candidato à Assembleia Municipal e o mandatário também já estarão pensados. António Tavares, Provedor da Santa Casa da Misericórdia da Invicta, é “o barão que as estruturas querem que acompanhe Álvaro Almeida no terreno”, como candidato à Assembleia Municipal. E Rui Rio, ex-presidente da câmara e antigo apoiante de Rui Moreira, será convidado para ser o mandatário da candidatura, sendo chamado a demonstrar assim que está disponível para o partido. 

Rio e Almeida não se conhecem bem, mas na próxima semana terão a oportunidade de trocar impressões, já que o ex-autarca será moderador num debate da Ordem dos Economistas sobre Orçamento do Estado em que Álvaro Almeida participará como orador convidado.

Mas afinal, quem é este homem que o PSD quer ver na corrida ao Porto? Álvaro Fernando Santos Almeida, 52 anos, é licenciado em Economia pela Faculdade de Economia do Porto, onde é actualmente professor associado e presidente do agrupamento científico de Economia e diretor do mestrado em Gestão e Economia de Serviços de Saúde. É, também, comentador na Rádio Renascença e coordena o grupo de 30 pessoas que compõe o conselho estartégico do PSD do Porto, incumbido de desenhar o programa eleitoral do partido à autarquia.

Em 2015, Álvaro Almeida foi nomeado pelo então ministro da Saúde Paulo Macedo para a Administração Regional de Saúde do Norte e antes, entre 2005 e 2010, já havia presidido à Entidade Reguladora da Saúde. Não é, por isso, um desconhecido para Passos Coelho.

Um responsável social-democrata explica ao PÚBLICO que, apesar de não ser uma cara familiar para o eleitorado nacional, Álvaro Almeida não é um paraquedista no Porto. “É um nome fora da caixa, mas é inviolável, tem um currículo imaculado, é credível e altamente colocado no meio universitário”, assume.

Onde pára o CDS

No caso de Álvaro Almeida aceitar ser candidato ao Porto (as condições que o professor colocou, relacionadas com o apoio das estruturas locais e de Rui Rio já estarão garantidas) o PSD espera que o CDS possa reavaliar a sua posição na segunda autarquia mais importante.

 Assunção Cristas fez questão de dizer, logo após ser eleita presidente do partido, que se Rui Moreira avançasse para o Porto, ela própria proporia o apoio ao autarca. “O CDS apoiou desde a primeira hora a candidatura independente de Rui Moreira e com ele temos governado a autarquia. Se ele decidir candidatar-se de novo, proporei aos órgãos do CDS a renovação do apoio à sua candidatura”, disse Cristas em Março.

O assunto não é pacífico no interior das estruturas locais do CDS-PP e o PSD poderá sentir-se tentado a tirar partido disso podendo, numa situação de negociação, vir a oferecer a presidência da Assembleia Municipal a Nuno Melo, eurodeputado do CDS.

De qualquer forma, o timing da direcção nacional para divulgar o candidato ao Porto é Janeiro de 2017.