Midnight, Texas, a nova série da autora de True Blood, chega a Portugal em 2017

Canal SyFy anuncia estreia de novo título da NBC com vampiros, bruxas, médiuns e lobisomens no início do próximo ano.

Fotogaleria
NBC
Fotogaleria
NBC

Não é um caso de regresso a um lugar onde se foi feliz, porque a casa é diferente. Mas os habitantes são do mesmo universo. Vampiros, mortos que falam, bruxas, homens alados e fantasia no Sul americano pela mão de Charlaine Harris. A autora de True Blood tem outra série literária, passada no Texas, e que um canal de sinal aberto decidiu transformar em série depois do sucesso (inicial) de True Blood num canal por subscrição. Midnight, Texas estreia-se no início de 2017 nos EUA e logo a seguir em Portugal, no SyFy, anunciou esta quarta-feira o canal, sem mais detalhes sobre datas.

Harris escreveu três livros para esta série – Midnight Crossroad (2014), Day Shift (2015) e Night Shift (2016). A história da série dramática, de cerca de uma hora, gira em torno de uma cidade isolada do estado do Texas em que as aparências iludem e toda uma galáxia de poderes sobrenaturais convive entre vampiros, bruxas, lobisomens ou médiuns que parecem ver como ameaças os humanos, das forças de autoridade aos gangues. Manfred (François Arnaud) é o recém-chegado a partir de quem se contam as suas histórias.

A série é protagonizada por actores como François Arnaud (Blindspot, Os Bórgia), Dylan Bruce (Orphan Black, Heroes Reborn) ou Parisa Fitz-Henley (Jessica Jones) e tem como showrunner (coordenadora geral da história e série) Monica Owusu-Breen, produtora e argumentista premiada que trabalhou em Fringe, Irmãos e Irmãs ou Perdidos. O realizador é Niels Arden Oplev, que assinou o piloto de Mr. Robot. Não é um elenco estrelado como o de True Blood, que se lançou num canal premium – a HBO (em Portugal passava no Mov como Sangue Fresco) – com Anna Paquin e Alan Ball e os seus Óscares a darem-lhe brilho.

Além do material-base – os romances de tom juvenil da série de Harris com vampiros e outros elementos sobrenaturais na Luisiana –, a versão televisiva surgiu como uma alegoria contra a discriminação e tinha a margem da HBO para nudez, linguagem e sexualidade na linha da frente. Com os anos e o afastamento de Ball, a série entrou em declínio junto da crítica e perdeu alguns dos seus cerca de quatro milhões de espectadores nos EUA. Agora, Midnight, Texas, uma das apostas do canal generalista (e por isso menos permeável a riscos criativos e a linguagens mais cruas) NBC para a midseason – as estreias de Inverno, entre o grande período de Outono e da rentrée e as séries de Verão – quer cavalgar a onda de interesse no mundo da fantasia e do terror (de Walking Dead a Preacher, passando por Penny Dreadful, todas de canais por subscrição ou a mais generalista Diários do Vampiro).