O Vodafone Mexefest é um festival, é uma longa caminhada

No festival que ocupa a Avenida da Liberdade e zonas adjacentes, em Lisboa, há tantos roteiros possíveis quanto espectadores. No nosso, destacaram-se Talib Kweli ou Medeiros/Lucas. E a possibilidade de descobrir espaços habitualmente escondidos do nosso olhar.

Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Concerto de Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Concerto de Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Pedro Coquenão Miguel Manso
Fotogaleria
Concerto de Jagwar Ma Miguel Manso
Fotogaleria
Jagwar Ma Miguel Manso
Fotogaleria
Jagwar Ma Miguel Manso
Fotogaleria
Jorge Palma Miguel Manso
Fotogaleria
Jorge Palma Miguel Manso
Fotogaleria
Toty Sa'Med Miguel Manso
Fotogaleria
Toty Sa'Med Miguel Manso
Fotogaleria
Talib Kweli Miguel Manso
Fotogaleria
Talib Kweli Miguel Manso
Fotogaleria
Talib Kweli Miguel Manso
Fotogaleria
Concerto de Talib Kweli Miguel Manso
Fotogaleria
Pedro Coquenão Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Talib Kweli Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso
Fotogaleria
Sunflower Bean Miguel Manso

Num momento estamos num salão ricamente decorado, sala nobre no centro da cidade, a ver Filipe Sambado mostrar como fazer de romantismo e prazer pela vida canções para iluminar os nossos dias. No momento seguinte, aterramos noutro salão, este mais vivido, para perceber, uma vez mais, como é tocante, superlativa, a música que Pedro Lucas e Carlos Medeiros – Medeiros/Lucas, portanto – vêm criando entre nós (e quando Selma Uamusse se lhes junta em Corpo vazio, tudo se torna ainda mais intenso e imponente).

O primeiro actuou com a sua banda no Palácio Foz, nos Restauradores. Os segundos, acompanhados de baterista e teclista, na Casa do Alentejo. Dois dos espaços que percorremos e dois dos concertos que vimos na noite no primeiro dia de Vodafone Mexefest, sexta-feira. O do hip hop de Talib Kweli, o da confirmação de Bruno Pernadas e, no fim, o da festa dançante dos australianos Jagwar Ma.

Recuemos algumas horas. Estão a atravessar em passo de corrida a rua das Portas de Santo Antão em direcção ao Largo de São Domingos. As duas raparigas que corriam sorridentes apressavam-se para ver Jorge Palma, que, em concerto surpresa, toca Terra dos sonhos ou Lobo malvado à guitarra, tal como nos anos em que actuava para o lufa-lufa de gentes no metro de Paris.

Não longe de Palma, na Rua das Portas de Santo Antão, e mais acima dela, na Avenida da Liberdade e nos Restauradores, misturavam-se vários tipos de azáfama. A descontraída dos turistas, a ouvir as interpelações dos empregados de mesa ou, já sentados, a observar a artista de rua que se entrega a uma mescla de dança do ventre e flamenco. Alguns tentam perceber o que é que se passa (para além da dança do ventre sevilhana, claro), quando se vêem rodeados por uma multidão em movimento constante, entre a qual se formam pequenos grupos de gente que se põe de olhos nos telemóveis ou em pequenos folhetos vermelhos. A outra azáfama era a do público do Vodafone Mexefest, fazendo contas para perceber que concertos conseguiria ver, e quais iria inevitavelmente perder.

O festival já tem hoje lugar reservado nos acontecimentos da cidade. Sabemos como funciona: vários concertos, espalhados por diversos espaços, dos mais nobres e reconhecidos a outros, mais inesperados, a que a população não tem habitualmente acesso. Sendo os concertos aquilo que move a multidão, a verdade é que parte do atractivo do Mexefest prende-se, precisamente, com a possibilidade de descobrir o que se passa no interior de edifícios de que habitualmente não vemos mais do que a fachada. Como a Sociedade de Geografia de Lisboa, colada ao Coliseu, onde passaram Lula Pena e a nova canção angolana, protagonizada por Toty Sa'Med. Como o sotão do Tivoli, transformado em discoteca para suar ao ritmo do DJ set de Pedro Coquenão (Batida), acompanhado pelo sul-africano Spoek Mathambo. Como o supracitado Palácio Foz, a austera Garagem EPAL, por onde passou Manuel Fúria, ou o pátio da Estação Ferroviária do Rossio, onde nos demorámos, como normalmente não fazemos, a observar a lua no alto, e o Castelo de São Jorge na colina, enquanto os nova-iorquinos Sunflower Bean descobrem, para seu espanto e felicidade, que há por aqui uma multidão que muito aprecia o shoegaze vitaminado do seu álbum de estreia, Human Ceremony.

Enquanto se acumulam quilómetros nas pernas, a sobreposição de concertos espalhados pelos diversos espaços leva a que cada um dos espectadores caminhantes elabore o seu próprio roteiro. Esse incluiu, para muitos deles (o Tivoli estava muito bem preenchido), a big band rock de Bruno Pernadas, capaz de misturar rock sónico, pop de harmonias vocais iluminadas (cortesia de Francisca Cortesão e Afonso Cabral), jazz com a coolness de banda sonora dos 70s, space rock e tropicalismo, sem que nos percamos no eclectismo – o maestro Pernadas sabe como coser tudo com mestria.

Caminhadas acompanhadas pela fanfarra ambulante dos Kumpania Algazarra, nas ruas, ou pelo rock acelerado dos Fugly, no autocarro que transporta o público pela avenida, que podem ter desembocado na Casa do Alentejo, onde um veterano guardião da canção americana, Howe Gelb, se apresentou ao piano, acompanhado de baterista e contrabaixista, para ouvir a mais surreal tirada da noite. A determinado momento, referiu que seria a altura ideal para uma canção de Leonard Cohen. Da plateia, alguém, ou muito distraído, ou afectado por uma momentânea disfunção cognitiva, gritou “Elvis Costello!” – tocou-se Cohen, claro.

No nosso roteiro, destacou-se Talib Kweli, rapper da palavra feita acção que, disse, não tolera estes tempos em que se diz aos artistas para calarem as suas convicções. No reinaugurado Cine-Teatro Capitólio, cerca das 22h00, Kweli foi agente activista trabalhando sobre as tarolas cortantes e baixos bojudos lançadas pela DJ de serviço, foi homem consciente e orgulhoso da sua história, citando nomes como J Dilla, Bob Marley, Beatles ou Nina Simone. Ouviu-se o piano blues dela, samplado, introduzindo-se assim Get by, e Kweli tornou-se um com o público que o celebrava.

Uma hora mais tarde, todos os caminhos pareciam confluir para o Coliseu dos Recreios. Sem outros concertos a fazerem-lhes concorrência, para além da festa de Coquenão no sótão do Tivoli, os australianos Jagwar Ma tinham o fim de noite no Mexefest por sua conta. Ou quase. Porque, primeiro, surgiu no camarote presidencial Carlão para ler ao público um conto que o protocolo de Estado certamente não toleraria (título: “O Princípio de uma Boa Queca”). Depois sim, o trio vindo dos antípodas.

Sintetizadores analógicos a carburar em pleno, guitarras a psicadelizar o ritmo e baixo a marcar o andamento. A Manchester dos Stones Roses, revista e actualizada, para uma rave de 2016 a sonhar com 1989. O vocalista Gabriel Winterfield balançou naquele seu modo meio trôpego, a house ganhou refrões pop solares e batidas hip hop serviram, aqui e ali, como base para voos planantes. Os Jagwar Ma cumpriram a sua função: oferecer o ritmo à madrugada.

Terminado o primeiro dia de Mexefest, era tempo de começar a pensar no seguinte, sábado. O de Elza Soares, chegada de concertos no Porto e em Aveiro, e que tem Mayra Andrade, Whitney, Digable Planets, Kevin Morby ou Branko como outros destaques.