Torne-se perito

Crianças portuguesas entre as que comem menos legumes e fazem pouco exercício

OCDE preocupada com a obesidade entre as crianças portuguesas. E com a diabetes. Segundo o relatório, cerca de 7% dos adultos a viver nos Estados-membros têm esta doença. Em Portugal são 9,3%.

Nenhum país se aproxima das recomendações da OMS sobre exercício físico
Fotogaleria
Nenhum país se aproxima das recomendações da OMS sobre exercício físico FERNANDO VELUDO
Fotogaleria
Fernando Veludo/NFACTOS

As crianças portuguesas surgem na 10.ª posição entre aquelas que comem mais fruta nos 28 Estados-membros da União Europeia. Porém, os vegetais são um calcanhar de Aquiles, a atirar os meninos portugueses para o 26.º lugar. Estes dados fazem parte de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), publicado nesta quarta-feira, e são utilizados para perceber os hábitos de alimentação saudável nos vários países.

Apesar de Portugal estar bem posicionado nos adultos, a verdade é que o peso da obesidade nas crianças continua a ser fonte de preocupação para os autores do documento, até porque os meninos portugueses são dos que menos exercício físico praticam.

O relatório Health at a Glance: Europe 2016, apresentado em Bruxelas pelo secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, e pelo comissário europeu da Saúde e Segurança Alimentar, Vytenis Andriukaitis, indica que sete em cada dez portugueses comem fruta todos os dias, o que corresponde ao segundo melhor valor dos 28 países da União Europeia. No caso dos vegetais, à semelhança do que acontece com as crianças, a presença nos pratos é menor, mas mesmo assim conquistam cinco em cada dez pessoas – o que coloca Portugal em 10.º lugar.

Concretamente na obesidade, Portugal surge apenas em 16.º lugar no que diz respeito aos adultos. No entanto, a tendência nos últimos anos tem sido de agravamento, sobretudo nas camadas da população com menores habilitações literárias. É, contudo, com as crianças que a OCDE está mais preocupada. “Mais de uma em cada quatro crianças tem excesso de peso na Áustria, Hungria e Portugal e mais de uma em cada três na Grécia e Itália”, alerta o documento. Em média, 23% dos rapazes dos 28 Estados-membros têm excesso de peso. No caso das raparigas o valor é de 21%.

PÚBLICO -
Aumentar

Portugal é o terceiro país com piores resultados e com uma tendência que contraria os restantes países: por cá, as meninas têm mais peso do que os meninos. O valor da obesidade nas raparigas ultrapassa os 30%, enquanto o dos rapazes fica pelos 25%. Já no relatório do ano passado a OCDE alertava para o número crescente de crianças obesas em Portugal, lembrando que se nada fizermos estas crianças vão crescer e tornar-se adultos obesos.

Falha o exercício físico

Para a OCDE, os problemas de obesidade são também reflexo de um outra área que tem estado a falhar: o exercício físico.

No caso das crianças entre os 11 e os 15 anos, em todos os países europeus, houve uma quebra na prática de exercício. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que nestas faixas etárias haja pelo menos 60 minutos diários de “actividade física moderada a vigorosa” – o que nenhum país está sequer perto de cumprir. 

Mesmo assim, os melhores dados surgem na Finlândia, onde 34% das crianças com 11 anos fazem exercício pelo menos uma hora por dia. Aos 15 anos o valor nas meninas cai para 13%. No caso dos rapazes, aos 11 anos, o valor é de 47%, caindo depois para 22%. Já Portugal aparece apenas no 18.º lugar. Aos 11 anos só 16% das raparigas cumprem as recomendações da OMS e aos 15 anos o valor desce para 5%. Nos rapazes as coisas estão melhores, com um valor de 26% aos 11 anos e de 18% aos 15 anos.

Nos adultos, os valores variam desde os 38% na Roménia até aos 80% na Suécia. “Em 2014, menos de 60% dos adultos na Bulgária, Portugal, Roménia e Espanha faziam a quantidade recomendada de actividade física, por comparação com mais de 70% na Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Eslovénia e Suécia”, diz o relatório. Portugal surge na terceira pior posição, apenas melhor do que a Roménia e Espanha. A Dinamarca é o único país onde as mulheres praticam mais exercício do que os homens. No caso do exercício, ao contrário do que acontece em indicadores como a alimentação, a OCDE salienta que são as pessoas com menos habilitações literárias que mais exercício fazem.

PÚBLICO -
Aumentar

Portugal é dos que tem mais diabéticos 

A diabetes é uma das doenças que mais preocupa os peritos da OCDE, já que tem efeitos negativos nos esforços para reduzir outras patologias, como as doenças cardiovasculares ou oncológicas. Segundo o relatório, cerca de 7% dos adultos a viver nos Estados-membros têm diabetes. O problema é que Portugal é dos países que ultrapassa esta média, com um valor de 9,3% – apenas superado por França e seguido de perto pela Grécia. Os valores mais positivos, na casa dos 5%, são encontrados na Lituânia, Dinamarca, Letónia, Roménia, Suécia e Áustria.

Além da prevalência global da diabetes, a OCDE vai mais longe e adianta que a doença não afecta todos de forma igual. “As pessoas com níveis educacionais mais baixos têm mais do dobro da probabilidade de ter diabetes”, alertam, ainda que admitam que a doença afecta mais os idosos, onde também se encontram as menores habilitações.

De todas as formas, insistem os autores do estudo que “as pessoas com níveis mais baixos de educação têm, frequentemente, uma alimentação mais pobre e maior probabilidade de serem obesas, o que é um importante factor de risco para a diabetes”. Traça-se também uma correlação entre doenças como a diabetes e a dificuldade em manter ou encontrar um emprego.

O relatório também destaca algumas coisas positivas, nomeadamente o facto de o sistema de saúde português ser dos que mais internamentos está a conseguir evitar, o que significa que mantém os doentes controlados. Há também indicadores positivos na oncologia, concretamente no cancro da mama, e nos resultados de doenças como o enfarte agudo do miocárdio. A mortalidade infantil e as boas taxas de vacinação são outros dos dados positivos destacados para Portugal.

Vida longa mas com pouca saúde

Muitos destes hábitos alimentares acabam por ter reflexo noutros indicadores. Uma mulher que nasça em Portugal tem uma esperança média de vida de mais de 84 anos. Nos homens, o valor fica-se pelos 78. Em ambos os casos, os números estão entre os melhores registados nos países da OCDE e têm vindo sempre a melhorar desde a década de 1990. No entanto, há um problema: esta longevidade não é acompanhada de um fim de vida com saúde, o que atira o país para aqueles em que os últimos anos de vida acabam por ter menos qualidade, alerta o relatório.

Porém, nem a esperança de vida à nascença nem os anos que ainda há para viver depois dos 65 anos podem ser olhados de forma isolada. “Os anos de vida saudável são um importante indicador europeu para monitorizar se os anos de vida extra são vividos com boa saúde”, acrescenta a organização.

Recentemente, a Direcção-Geral da Saúde já se tinha mostrado preocupada com os mesmos dados, avançando que os portugueses “perderam” cerca de três anos de esperança de vida saudável em 2014 face ao ano anterior.

Sugerir correcção