Cinco perguntas sobre a tensão arterial elevada

Foto
O coração é um dos órgãos mais afectados pela hipertensão arterial DR

Quais são os sintomas?

A hipertensão é muitas vezes chamada “doença silenciosa” por não provocar sintomas, mesmo que já esteja instalada há anos. A melhor forma para se detectar a hipertensão é medindo a tensão arterial numa farmácia. Ainda assim, a Fundação Portuguesa de Cardiologia pede para se estar atento a tonturas, hemorragias nasais e dores de cabeça.

Quando é que se está hipertenso?

É ao medir a tensão arterial que se detecta a hipertensão. Esta medição dá os valores da pressão do sangue nas veias em dois momentos: a máxima ou sistólica, quando o coração bate; e a mínima ou diastólica, quando o coração está relaxado. Os valores normais de pressão máxima são até 120 milímetros  de mercúrio e os da mínima são até os 80 milímetros de mercúrio. Quando se detecta uma tensão arterial acima dos 140/80 mais do que uma vez é possível que se tenha hipertensão e deve-se ir ao médico.

O que fazer?

O tabaco, o álcool, o sal, o stress são factores de risco da hipertensão. É recomendado evitar estes factores de risco. A obesidade é outro problema que pode estar associado à doença. O exercício físico e uma alimentação saudável podem ajudar a reduzir a hipertensão. Se este tipo de controlo não resulta, a alternativa é tomar medicamentos, sempre prescritos por médicos, de acordo com a situação de cada um.

E se desviar os olhos ao problema?

Quando não tratada, a hipertensão afecta principalmente quatro órgãos: o coração, o cérebro, os rins e os olhos. No coração, devido ao esforço acrescido do batimento, há um aumento do seu volume, a hipertrofia, que pode originar a insuficiência cardíaca. Devido à deterioração das paredes dos vasos sanguíneos, podem ocorrer ainda aneurismas e hemorragias cerebrais.

Quantas pessoas?

Em Portugal, estima-se que haja dois milhões de pessoas hipertensas, de acordo com a Fundação Portuguesa de Cardiologia. O mais preocupante é que apenas metade sabe que sofre desta doença, um quarto está medicado e cerca de um décimo consegue realmente controlar a tensão arterial.