Socialistas portugueses querem que Schulz continue à frente do Parlamento Europeu

Eleições são em Janeiro, mas Bruxelas já ferve com a falta de acordo entre o PPE e os Socialistas & Democratas. Teme-se um impasse institucional e quem pode beneficiar são os liberais.

Martin Schulz esteve no último Congresso do PS
Foto
Martin Schulz esteve no último Congresso do PS NFS Nuno Ferreira Santos

O presidente do Parlamento Europeu (PE), o social-democrata alemão Martin Schulz, está a ponderar recandidatar-se à presidência do Parlamento Europeu, ao contrário do acordo feito com o Partido Popular Europeu (PPE) que o levaria a abandonar o cargo ao fim de 30 meses, para permitir eleger um candidato da direita europeia.

Ao que o PÚBLICO apurou, o alemão considerado um “amigo de Portugal” – afirmou-se contra as sanções e a suspensão dos fundos europeus – está a fazer uma ronda para avaliar se tem condições para ser reeleito nas eleições de Janeiro próximo. Isto num momento em que o PPE tem vários possíveis candidatos, um deles o próprio presidente do grupo parlamentar do PPE, Manfred Weber.

Martin Schulz conta com o apoio de uma “larguíssima maioria” no grupo dos Socialistas & Democratas (S&D) europeus, afirmou ao PÚBLICO o eurodeputado Carlos Zorrinho, eleito pelo PS, acrescentando que os socialistas portugueses são “completamente favoráveis” a que o actual presidente do PE complete os cinco anos de mandato.

“Tudo faremos para que Martin Schulz faça a segunda parte do mandato e acredito que teria apoios de outros partidos”, acrescentou Zorrinho. Uma referência implícita às divisões internas no PPE, que contam já com três candidatos no terreno e a cada vez mais forte possibilidade de Manfred Weber se apresentar na corrida para tentar ser a solução de consenso dentro do grupo.

A presidência do Parlamento Europeu em cada legislatura de cinco anos é tradicionalmente divida em duas partes, de 30 meses cada uma, para que seja assumida ora pelo PPE, ora pelos S&D. As eleições de Janeiro cumprem-se para esta rotação do meio do mandato.

Tudo indica que Schulz conta com o apoio do seu amigo Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia eleito pelo PPE, e do próprio presidente do PPE, Joseph Daul. A sua permanência poderia justificar também a não substituição de Donald Tusk à frente do Conselho Europeu, cujo mandato de meio-termo termina em Maio, mantendo a estabilidade na cúpula das instâncias europeias numa altura em que as geografias políticas da Europa enfrentam desafios como o "Brexit" e o avanço da extrema-direita em vários países que terão eleições no próximo ano.

Schulz, no entanto, já cumpriu dois turnos, o último da legislatura anterior e o primeiro da actual, pelo que uma terceira candidatura é vista com muitas reticências. Além do mais, o seu nome é apontado como o mais forte dos social-democratas alemães para concorrer à chancelaria contra Angela Merkel nas eleições do Outono de 2017. Antes, pode mesmo ser indicado como ministro dos Negócios Estrangeiros germânico caso o actual ocupante do cargo, Frank-Walter Steinmeier, venha a ser eleito Presidente da Alemanha em Fevereiro, como tudo indica.

Schulz terá, pois, de tomar uma decisão em breve. Fontes europeias garantem ao PÚBLICO que dificilmente se recandidata a presidente do Parlamento Europeu se não contar com o apoio do PPE. E este que ainda é o maior grupo do PE continua muito dividido. Quem pode aproveitar com esta divisão é Guy Verhofstadt, o candidato dos Liberais & Democratas, pois se Schulz não avançar, os S&D podem votar nele como forma de protesto contra o PPE.