O que é que Portugal tem? Mais sabor e cor

Para se abastecer, o país vizinho importa produtos alimentares dos seus parceiros europeus. Portugal é o quarto principal fornecedor e com quem mantém estreita ligação desde sempre. Azeite, polvo e laranjas são os três mais comprados a Portugal.

Azeite alentejano embalado com o rótulo “produzido na União Europeia”, laranja sumarenta do Algarve que não chega a ver as bancas de fruta portuguesas, polvo nacional que é servido em tapas ou exportado por Espanha para o Japão, tomate de cor e sabor cobiçados pela indústria alimentar. Nas prateleiras dos supermercados espanhóis, cabem todos estes alimentos, incluídos na lista dos dez produtos agrícolas e alimentares que o país vizinho mais comprou a Portugal em 2015. Apesar de não ser a despensa espanhola — esse título cabe a França —, Portugal é o quarto local preferido de Espanha para se abastecer.

No ano passado, 36,6% dos bens agro-alimentares produzidos em solo nacional e exportados tiveram Espanha como destino. Por seu lado, também foi a Espanha que Portugal foi comprar 48,1% dos alimentos que importou. A relação entre os dois países tem-se mantido firme e intocada pela crise, embora a dependência portuguesa seja mais evidente. A proximidade geográfica e os hábitos de consumo semelhantes fazem com que Espanha seja o destino mais relevante do comércio internacional português.

Contudo, do outro lado da fronteira, os olhos estão postos para lá dos Pirenéus. França é o principal parceiro comercial de Espanha, escolha justificada pelo Ministério da Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente pela “proximidade geográfica e a importância do sector em ambos os países”. Segue-se a Alemanha, em segundo lugar também nas exportações e nas importações. Portugal é o quarto principal parceiro, onde Espanha se abastece e para onde destina os seus produtos alimentares, depois dos Países Baixos.

A poderosa indústria alimentar ocupa um lugar de destaque na economia espanhola, valendo perto de 21% das vendas da actividade industrial e 18,2% do emprego. Representa ainda 17,6% do total das exportações. À sua escala, Portugal tem para oferecer alguns produtos e ajuda, assim, a reforçar a forte posição da indústria alimentar de Espanha no mercado internacional: é a quinta que mais factura na União Europeia, destacando-se sobretudo na exportação de azeite, carne de porco (é o maior produtor da UE), vinho, tangerinas e laranjas.

Enrique Santos, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, diz que os dois mercados são “cada vez mais inter-relacionados e interdependentes”. “Para as empresas portuguesas, o mercado espanhol tem enormes potencialidades, tendo em conta as vantagens competitivas quando comparadas com outros mercados, por exemplo, a proximidade geográfica e cultural com tudo o que isto significa em termos de custos, em que o sector agro-alimentar tem um peso importante”, afirma. Enrique Santos recorda ainda que Espanha é o “maior cliente e fornecedor do mercado português e os números do comércio bilateral não param de aumentar”.

PÚBLICO -
Foto
enric vives-rubio

Uma relação selada a azeite

O exemplo mais relevante nesta relação duradoura é o do azeite, o principal produto agro-alimentar exportado para Espanha e também aquele que o país vizinho mais exporta para mercados internacionais (2825 milhões de euros em 2015). No ano passado, os produtores nacionais de azeite virgem venderam mais de 165 milhões de euros deste produto aos espanhóis, o valor mais elevado desde 2013 e 51% acima do que se verificou em 2014.

Em 2015, Espanha sofreu quebras de 50% na produção, o que obrigou o maior produtor mundial de azeite a comprar ainda mais fora esta matéria-prima. O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola adianta que a procura de azeite “rondou os 1,45 milhões de toneladas e as disponibilidades não ultrapassaram os 1,3 milhões”.

“Foi um ano muito complicado para o mercado espanhol de azeite. Houve uma importante quebra na produção em cerca de 50%, e as razões são fundamentalmente de ordem climática. Espanha viu-se forçada não apenas a importar de Portugal mas também de outros mercados produtores, como Marrocos, Grécia ou Tunísia. O mercado espanhol conta como um importante mercado de exportação de azeite e, em 2015, viu-se forçado a dar resposta a estes mercados. Daí a necessidade de importar azeite”, detalha.

Os produtores espanhóis têm investido directamente no olival nacional para suprir necessidades do seu mercado e o Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo estima que explorem 50 mil dos 177 mil hectares de olival existentes nesta região (onde se produz 76% de todo o azeite nacional).

Em termos globais, a produção em Portugal registou um máximo histórico em 2015, atingindo 1,19 milhões de hectolitros: foi o terceiro maior registo dos últimos cem anos. Foram precisamente estes olivais do Alentejo, de produção intensiva e superintensiva, com variedades de azeitona mais produtiva e dotados de sistemas de rega que “compensaram largamente a baixa produtividade observada em muitos olivais tradicionais de sequeiro do interior Norte e Centro”, referiu recentemente o INE.

PÚBLICO -
Foto
filipe farinha

O melhor polvo do mundo

Mas de Espanha não vem apenas o interesse pelo azeite português. O polvo é o segundo principal produto vendido aos parceiros ibéricos, não fosse Portugal o segundo exportador mundial da espécie octopus spp, apenas superado pela China. No ano passado, os espanhóis gastaram quase 90 milhões de euros em polvo, um crescimento de 43% face a 2014 que não surpreende José Agostinho, presidente da Associação dos Armadores de Pesca de Polvo do Algarve (Armalgarve Polvo).

“Além de comprarem directamente no mercado, há várias empresas portuguesas que exportam para Espanha, quer fresco, quer congelado. Ultimamente, as exportações para Espanha têm estado a aumentar devido à qualidade do nosso polvo, o melhor do mundo, com uma alimentação rica em marisco”, conta. Os espanhóis vêm atraídos pela qualidade “e pagam-na”. E a popularidade crescente deste molusco, que escorrega facilmente das lotas nacionais para outros destinos, também está relacionada com um esforço de divulgação que tem sido feito pelos pescadores e autoridades de pesca. Os consumidores, diz José Agostinho, não sabiam comer polvo, mas hoje sabem que podem usá-lo de formas diversas, a ponto de rivalizar com o bacalhau.

Os espanhóis consomem-no, por exemplo, em tapas, mas a verdade é que nem todo o polvo português termina a viagem em Espanha. “Compram aqui, mas depois transportam-no para o Japão. E o produto é nosso”, revela o presidente da Armalgarve, que quer aumentar as vendas para oriente. Os armadores estão, por isso, a “trabalhar para reduzir os intermediários e fazer a exportação directa”, numa tentativa de disputar o mercado com os espanhóis. Ao mesmo tempo, a venda de polvo vivo para o Japão e para a Coreia do Sul está em fase final de ensaio na Estação Piloto de Piscicultura de Olhão (a maior do país). Falta encontrar os clientes certos, dispostos a comportar os custos de transporte. “Já é possível exportar polvo vivo, mas falta encontrar os preços certos e os compradores certos. O custo de transporte é maior, tem de ser por avião e estamos a tentar arranjar clientes”, adianta.

No Algarve, o interesse espanhol estende-se à laranja. Pedro Madeira, director da Frusoal, conta que, com maior capacidade de compra, Espanha tem comprado laranja portuguesa a preços acima do mercado e combinado com antecedência o negócio. “É por isso que muita laranja está a ir para Espanha”, explica o responsável desta organização de produtores. Em Portugal, diz, as “cadeias de distribuição não acompanham os preços espanhóis e, por isso, temos durante menos tempo laranja nacional à disposição dos portugueses”.

O ano passado, a exportação de laranjas para Espanha disparou 58%, chegando perto dos 67 milhões de euros. Nunca foram tão valorizadas como em 2015: em 2013, as exportações valiam 34 milhões de euros (e ocupavam o 6.º lugar entre os produtos agro-alimentares fornecidos a Espanha); em 2014, mais de 42 milhões de euros. Ao mesmo tempo, as laranjas são um dos cinco produtos que Espanha mais exporta para outros mercados, com o valor das vendas a atingir uns expressivos 1160 milhões de euros.

PÚBLICO -
Foto
enric vives-rubio

Mais sabor e cor que Espanha

Na lista dos dez principais produtos vendidos a Espanha, está o tomate, considerado o melhor do mundo, sobretudo pela indústria alimentar, que depois produz molhos e todo o tipo de sucedâneos. Espanha também vem abastecer-se (desembolsou perto de 35 milhões de euros, segundo o INE) nas versões “fresco e refrigerado”.

Miguel Cambezes, presidente da Associação dos Industriais do Tomate (AIT), detalha que os espanhóis utilizam a matéria-prima produzida em Portugal devido à proximidade geográfica e às características do tomate que aqui encontram, com mais cor e sabor. “Há uma organização de produtores que tem a sua zona de influência em Elvas, mais próximo de fábricas espanholas da Estremadura do que das unidades portuguesas do Alentejo. Há contratos [de venda] que são firmados previamente e esta organização não entrega um quilo de tomate a Portugal”, conta. Há também fábricas espanholas que arrendam terrenos em Portugal onde produzem tomate para se abastecer, continua.

Há ainda produtores portugueses que, não estando localizados na zona de Elvas, “entregam tomate ao abrigo de contratos firmados com a indústria espanhola e que são usados para a produção de pasta de tomate, sumos ou cubo”, adianta. Convivem duas realidades: tomate que é produzido e transformado em Portugal e enviado, depois, para Espanha. E tomate produzido em território nacional e transformado no país vizinho.

De acordo com Miguel Cambezes, Portugal transforma 1 milhão e 507 mil toneladas, enquanto Espanha processa mais de dois milhões e 950 mil toneladas, “onde estão incluídos os tomates portugueses”. “Em termos de cor e sabor, o tomate português é melhor do que o espanhol. A cor é reconhecidamente muito boa e quando misturo concentrado feito com tomate português estou a melhorar o meu produto”, garante.