Breitbart, baluarte da “alt-right” norte-americana, planeia expansão europeia

Site que apela a supremacistas brancos e outros extremistas quer aproveitar subida do populismo anti-imigração em França e na Alemanha.

Foto
Stephen Bannon, o antigo presidente do Breitbart, é agora um dos mais importantes conselheiros de Trump CARLO ALLEGRI/Reuters

O site norte-americano Breitbart, onde há artigos questionando se o feminismo torna as mulheres feias e que tem uma secção de “crime negro”, está a planear uma expansão para a Europa, para dois países que terão eleições em breve: França e Alemanha.

O site ganhou popularidade sob liderança de Stephen Bannon, que assumiu que era uma espécie de plataforma da chamada alt-right, definido por especialistas em extrema-direita como Cas Mudde como nada mais do que uma palavra diferente para um movimento muito antigo, o de supremacistas brancos, com laivos anti-semitas e juntando-lhe também misoginia. 

Bannon saiu do site para a campanha de Donald Trump. Durante a corrida presidencial, o Breitbart registou visitas ao nível de jornais estabelecidos como o Wall Street Journal, e a sua popularidade nas redes sociais foi comparável aos sites da CNN ou do New York Times.

Stephen Bannon ganhou ainda mais destaque ao ser escolhido para um dos principais conselheiros de Donald Trump.

O site e a política populista são inseparáveis: a sua insistência em temas europeus – um dos seus alvos preferidos de críticas é a chanceler alemã, Angela Merkel, e a sua política de portas abertas para os refugiados – nota-se em pesquisas no motor de busca Google News: procurando pelas palavras chave "Merkel" e "refugiados", é certo que um artigo do Breitbart vai surgir nos resultados cimeiros; o mesmo por buscas por "Le Pen" e "eleições".

Exploração do "medo racial"

Estes sites na Alemanha e em França seguir-se-ão a um Breitbart britânico, que começou em 2013 e se focou na discussão da campanha para o referendo da saída do Reino Unido da União Europeia ("Brexit").

O director do Breitbart London, Raheem Kassan, tirou a dada altura uma licença sem vencimento do site para aconselhar o lider do populista Partido da Independência do Reino Unido (Ukip) Nigel Farage, uma das vozes pró-"Brexit". O dia do referendo britânico, 23 de Julho, marcou um pico de tráfego no site.

Apesar de não ter notícias falsas, o Breitbart não faz jornalismo, sublinhou Jeff Jarvis, professor na City University of New York (CUNY). Trata-se “de um movimento político a fazer-se passar por um meio de comunicação social”, escreveu Jarvis no seu blogue.

“Não têm estatuto editorial nem práticas jornalísticas”, notou Angelo Carusone, do observatório Media Matters for America, citado pela agência francesa AFP.

Uma amostra de alguns dos artigos mais populares do site mostra histórias comparando “vítimas de planeamento familiar” com o número de vítimas do Holocausto (desde 2006 são metade, diz o artigo), ou outra sobre as “raízes fascistas” da organização de planeamento familiar dos EUA.

As mulheres são também um tema comum, com artigos defendendo que há uma solução simples para o assédio de mulheres online: “as mulheres deveriam fazer log off”, sugere o site, enquanto outro título explica que não há discriminação de mulheres na área da tecnologia, “elas são simplesmente más nas entrevistas”.

Homossexuais e transexuais também são vistos com desdém, e o site rejeita tudo o que entende ser “politicamente correcto”.

Os crimes perpetrados por muçulmanos ou por negros são valorizados (há mesmo a secção de “crime negro”). E duas semanas após um ataque a uma igreja de uma comunidade negra da Carolina do Sul o site tinha um artigo sobre a herança da bandeira da Confederação (face às propostas de esta ser retirada por ser um símbolo de ódio).

Angelo Carussone sublinha que o mais grave é este uso de “medos raciais”.

Algo que poderá servir bem os seus objectivos em França, onde Marine Le Pen tem, com a sua retórica anti-imigração, passagem assegurada à segunda volta das presidenciais do próximo ano, ou ainda na Alemanha, onde um movimento islamófobo surgiu abertamente em manifestações, criticando os media tradicionais, a “imprensa mentirosa”.