Costa anuncia novo ciclo de contratos com o sector terciário ainda este ano

Primeiro-ministro inaugurou as novas instalações do Palacete Araújo da Santa Casa da Misericórdia do Porto

Foto
Antes da inauguração das novas instalações do Palacete Araújo Porto, da Santa Casa da Misericórdia, Costa passou pela fábrica da Cacia Adriano Miranda

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta sexta-feira uma maior cooperação entre o Estado e o sector terciário, revelando que o novo ciclo de contratos de cooperação com as instituições deste sector, como as misericórdias, será aberto até ao final do ano para desenvolver a partir de 2017. O anúncio surgiu durante a inauguração das novas instalações do Palacete Araújo Porto da Santa Casa da Misericórdia.

"Gostaríamos que o conjunto das instituições do terceiro sector e em particular as misericórdias e designadamente a Misericórdia do Porto estivessem disponíveis para participar e cooperar, para que, de mãos dadas, pudéssemos fazer aquilo que é necessário fazer", declarou António Costa.

No renovado Palacete Araújo Porto estão instalados os SPeC - Serviços Partilhados e Corporativos da Misericórdia do Porto. O bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, benzeu as instalações e na sessão de inauguração agradeceu a todas as instituições sociais o “bem que realizam”.

Por seu lado, o vereador da Habitação e Acção Social da Câmara do Porto, Manuel Pizarro, destacou a “coincidência de prioridades” entre a autarquia e a Santa Casa da Misericórdia, afirmando que as duas instituições estão alinhadas em matéria de “coesão social, desenvolvimento social e cultura” – prioridades que considerou “indissociáveis”.

Em representação do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, ausente do país (Espanha) em representação do Presidente da República, Manuel Pizarro elogiou o trabalho que a instituição de que António Tavares é provedor tem desenvolvido também no plano da reabilitação urbana no centro histórico do Porto, destinada à habitação com preços controlados.

O provedor da Santa Casa da Misericórdia aproveitou a presença do primeiro-ministro para lhe lançar três desafios: modernidade, inclusão e afectos.

 “Com o aumento da esperança de vida aparecem novas necessidades das populações. Somos dos que pensam que a institucionalização dos idosos não é uma solução que agrade a ninguém. Estamos disponíveis, e já o transmiti aos responsáveis respectivos, para ajudar no debate que é inverter o paradigma do envelhecimento em Portugal”, revelou António Tavares, afirmando que a instituição opta por um” modelo de envelhecimento activo com um novo tipo de serviço de apoio domiciliário onde se possa introduzir tecnologia, acrescentar serviços de saúde, com enfermeiro e médico em casa e se ausente o apoio aos cuidados informais e às famílias”.

Quanto à inclusão, disse que a instituição que dirige tem condições para poder ajudar a produzir o voto em braille ou de dupla leitura para os invisuais e no plano do desafio dos afectos, defendeu a necessidade de se “criarem condições legislativas para a existência, a exemplo das comissões de protecção de menores, de comissões de protecção de idosos”.

“Estamos disponíveis para participar num projecto piloto na cidade do Porto em parceria com a câmara municipal”, afirmou o provedor.