Grupo terá matado empresário de Braga e dissolvido o corpo em 500 litros de ácido

Ministério Público acusa sete arguidos, dois deles advogados, de sequestro, homicídio qualificado e profanação de cadáver. Grupo pretenderia impedir que queixa-crime, que visava juristas por burla, chegasse a tribunal.

Os arguidos foram detidos em Maio, dois meses depois de o empresário ter sido detido
Foto
Os arguidos foram detidos em Maio, dois meses depois de o empresário ter sido detido Fernando Veludo/NFACTOS

O Departamento de Investigação e Acção Penal de Braga acusou recentemente de sequestro, homicídio qualificado e profanação de cadáver sete elementos do grupo que em Março deste ano terá matado e dissolvido em ácido sulfúrico o corpo de um empresário da região que tinham alegadamente sequestrado.

De acordo com a acusação, os arguidos “organizaram-se entre si, criando uma estrutura humana e logística, com o propósito de sequestrar” João Paulo Fernandes, um empresário da construção civil de Braga, a fim de “o impedir de reverter um estratagema mediante o qual o património dos seus pais fora passado para uma sociedade controlada por dois dos arguidos”, refere um comunicado divulgado esta quinta-feira no site da Procuradoria-Geral Distrital do Porto .

Depois de terem monitorizado as rotinas da vítima, a 11 de Março, quatro dos suspeitos ter-se-ão deslocado à cidade de Braga em dois automóveis que terão roubado em Fevereiro, num stand de automóveis no Porto. “Por volta das 20h30 abordaram o empresário, meteram-no no interior de um dos veículos e levaram-no para um armazém, em Valongo, onde o mataram por estrangulamento”, acrescenta a nota da procuradoria. De acordo com o Ministério Público, o corpo do empresário foi depois levado para um segundo armazém, na localidade de Baguim do Monte, já em Gondomar, onde terá sido dissolvido em 500 litros de ácido sulfúrico.

Aos sete dos arguidos, que aguardam julgamento em prisão preventiva, são ainda imputados os crimes de associação criminosa e furto qualificado. Três dos arguidos são também acusados de posse de arma proibida e do grupo fazem ainda parte outros dois arguidos que serão julgados por falsificação de documentos, furto qualificado e incêndio.

Esquema para proteger o património

O PÚBLICO adiantou em Maio, quando o grupo foi detido pela Polícia Judiciária, que entre os suspeitos estavam dois advogados, irmãos naturais de Braga, que tinham representado o empresário em vários processos judiciais e teriam chegado a ser seus sócios.

Seriam conhecidos por propor a empresários em dificuldades um complexo esquema destinado a esconder o seu património, colocando assim a salvo dos credores. Porém, os dois juristas — também foi detido um outro irmão, economista — burlariam os clientes ficando-lhes com os bens.

Terá sido isso que aconteceu ao pai de João Paulo Fernandes, que tinha tido duas empresas que foram declaradas insolventes em 2012 e 2013. Mas quando o filho descobriu que o património que era suposto estar escondido das autoridades estava a ser vendido pelos advogados apresentou uma queixa-crime, ignorando as ameaças de que terá sido alvo. O caso foi arquivado, mas a família não desistiu do património e interpôs um processo cível para recuperar os bens.