Criminalidade violenta diminuiu 12,6% nos primeiros seis meses deste ano

Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, anunciou números esta segunda-feira no Parlamento.

Ministra foi ao Parlamento falar sobre o orçamento da Administração Interna para 2017
Foto
Ministra foi ao Parlamento falar sobre o orçamento da Administração Interna para 2017 lm miguel manso

A criminalidade violenta diminuiu 12,6% nos primeiros seis meses deste ano face ao mesmo período do ano passado, anunciou na tarde desta segunda-feira a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, no Parlamento, onde está a discutir o orçamento do seu ministério para o próximo ano. A criminalidade geral participada também desceu, mas menos: reduziu 8% face ao primeiro semestre de 2015. 

Os números foram apresentados na exposição inicial feita pela ministra, que "espera que a tendência se mantenha até ao final deste ano". Constança Urbano de Sousa também sublinhou que este ano houve uma descida significativa de vítimas mortais e feridos graves nas estradas. 

Sobre o orçamento do Ministério da Administração Interna (MAI), Contança Urbano de Sousa sublinhou que haverá um "aumento de 54 milhões de euros face à dotação inicial de 2016", o que significa um crescimento de 1,3% relativamente à dotação consolidada para este ano. Tanto o deputado do PSD, Marques Guedes, como o deputado democrata-cristão, Telmo Correia, sublinharam que os números do orçamento disponibilizados pelo MAI não correspondem ao mapas apresentados para esta área pelo Ministério das Finanças, e mostraram-se preocupados com o desinvestimento neste sector. 

"Segundo os mapas do Ministério das Finanças, na melhor das hipóteses há uma variação positiva de 0,3%, o que, considerando a reposição dos salários e as promoções, significa um desinvestimento em matéria de segurança", afirmou Telmo Correia. 

As comparações relativamente ao Orçamento devem ser feitas "entre o que tinha no início de 2016 e o que tenho no início de 2017", respondeu a ministra admitindo mais tarde que gostaria de ter mais dinheiro. Realçou, no entanto, que "ainda existe muito desperdício". "Só em folgas de dirigentes associativos na PSP há todas os meses 330", exemplificou. 

Constança Urbano de Sousa reconheceu que o investimento no MAI vai recuar no próximo ano mais de dois milhões de euros, para os 136 milhões de euros. Uma diminuição que a governante atribuiu à descida de candidaturas das polícias a fundos comunitários.