Uma casa móvel e sustentável que se constrói em menos de um dia

KODA pode ser uma casa no centro da cidade ou perto da praia. O protótipo concebido para ser facilmente transportável tem um design inteligente e alimenta-se a energia solar

Foto
DR

O projecto da empresa Kodasema é uma casa pré-fabricada, com 25 metros quadrados, que tem tudo o que é necessário. O interior é ocupado por dois pisos — a parte inferior tem uma sala de estar, cozinha e casa de banho e o piso superior pode ser transformado num quarto. Três paredes e uma quarta de vidro a ocupar o lado frontal permite ter vistas para o exterior. Outra peculiaridade desta construção é que pode ser transportada para onde se quiser.

KODA pode ser uma casa no centro da cidade, uma casa de Verão perto da praia, um café acolhedor, um escritório, uma oficina ou estúdio ou até uma sala de aula. É independente, não fixa ao solo, e o design inteligente e ecológico, com uma concepção modular, permite que seja configurada para criar um espaço maior. Os componentes internos, mesmo as paredes, podem ser ajustados para atender uma finalidade de forma mais eficaz.

Desenvolvida a pensar nos apreciadores do minimalismo e do nomadismo, o protótipo da portátil KODA tem uma estrutura sólida que permite que a casa seja montada e desmontada várias vezes sobre superfícies diferentes sem necessidade de fundações. A instalação exige apenas um terreno plano, onde haja ligação de água, electricidade e esgotos.

Foto

Além da mobilidade, esta casa assegura ainda sustentabilidade energética, podendo alimentar-se de energia solar. “A arquitectura garante o melhor da luz natural e os painéis solares no telhado dão energia à iluminação LED”, explica a empresa com sede em Tallinn, na Estónia. As próprias paredes, com isolamento por vácuo, minimizam a necessidade de captação de energia e ajudam a manter a temperatura interna confortável.

Foto

A KODA é também sustentável pelos materiais recicláveis envolvidos na construção. Uma divisão interior requer apenas 9 m³ de concreto e, no final da vida útil, os componentes podem ser facilmente reutilizados.

O projecto ainda está a ser testado e a distribuição só se encontra disponível na Estónia pelo preço de 85 mil euros. Segundo o estúdio de arquitectura, a aquisição desta casa móvel trata-se de um investimento mais seguro do que uma casa normal, pois não se corre o risco de esta não corresponder às expectativas que existiam antes da compra.

Apesar de ainda estar em desenvolvimento, o protótipo já foi pré-seleccionado para o “Prémio Pequenos Projectos”, atribuído no Festival Mundial de Arquitectura 2016, que decorre em Berlim entre os dias 16 e 18 de Novembro.