Lisboa é um palco para Atenas

Maria Matos e São Luiz juntam-se de 29 de Novembro a 11 de Dezembro numa visita guiada comum a uma cidade pouco vista nos teatros portugueses.

Fotogaleria
PRIVATE: Wear a Mask When You Talk to Me, da coreógrafa Alexandra Bachzetsis DR
Fotogaleria
6 a.m. How to Disappear Completely, do BLITZ Theatre Group Christophe Raynaud de Lage
Fotogaleria
Domino, do grupo Vasistas AGNAES MELLON
Fotogaleria
Clean City, de Anestis Azas e Prodromos Tsinikoris GELY KALAMBAKA
Fotogaleria
O filme Assembly for an Oresteia, de Robin Vanbesien DR

De 29 de Novembro a 11 de Dezembro, Maria Matos e São Luiz juntam-se no primeiro cumprimento dirigido à criação artística de cidades pouco vistas nos palcos lisboetas. Bom Dia, Atenas aplica uma lupa ao teatro e à dança que emergem numa capital grega martirizada pelos anos de austeridade e, consequentemente, questiona que arte podemos esperar num clima de convulsão social, revolta popular e luta pela sobrevivência.

O primeiro olhar recairá a 29 e 30 de Novembro, no Maria Matos, sobre a coreografia PRIVATE: Wear a Mask When You Talk to Me, em que Alexandra Bachzetsis transporta o património de Trisha Brown para a cultura pop actual. O grande destaque é, no entanto, para presença dupla do Blitz Theatre Group, que a 2 de Dezembro, na companhia de oito artistas portugueses, apresenta o espectáculo-conferência The Institute of Global Solitude na Taberna das Almas, seguindo depois (9 a 11) para o São Luiz com 6 a.m. How to Disappear Completely.

O programa completa-se com Domino (3 e 4, São Luiz), coreografia do grupo Vasistas sobre o momento antes da queda, Clean City (9 e 10, Maria Matos), peça em que Anestis Azas e Prodromos Tsinikoris questionam a maioria (mulheres e imigrantes) daqueles que limpam Atenas, e a sessão de cinema e debate Teatro em tempos de cólera (5, São Luiz), em que o filme Assembly for an Oresteia, de Robin Vanbesien, servirá de rastilho a uma conversa entre artistas gregos e portugueses sobre a influência da crise na sua criação.