Crítica

Arnaldo Antunes brilhante na gravação de um DVD em Lisboa

Se o DVD gravado em Lisboa fizer justiça ao concerto que Arnaldo Antunes deu no São Luiz, será imperdível. Já É mostrou-o em grande forma.

Fotogaleria
O DVD que Arnaldo Antunes gravou no Teatro de São Luiz, em Lisboa, será lançado em Janeiro Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

Mesmo para quem já conhece o trabalho de Arnaldo Antunes desde o início, e já o viu várias vezes em palco, o concerto que encerrou a sua digressão portuguesa, no Teatro de São Luiz, em Lisboa, foi brilhante. Talvez ajudasse saber que ali seria gravado um DVD, nas noites de 12 e 13 de Novembro, para editar em Janeiro, mas a verdade é que ele se mostrou particularmente inspirado. Na apresentação do novo (e muito bom) disco que agora chega às lojas portuguesa, Já É, editado no Brasil e com um pequeno extra em Portugal (a participação de Manuela Azevedo numa das faixas); mas também no alinhamento, onde percorreu, com acertado critério, uma grande parte dos seus álbuns, desde O Silêncio (1996) até Disco (2013), passando pelo colectivo Tribalistas (2002).

O espectáculo, na última noite (que, tal como na primeira, contou com os convidados Manuela Azevedo e Hélder Gonçalves, dos Clã, e Carminho), abriu de chofre: ao levantar das cortinas, já Arnaldo e os músicos estavam em palco, atacando de imediato Antes e Põe fé que já é, ambas do novo disco. Trato, mantendo a adrenalina num embalo pop-funk (“eu, no seu lugar, você no meu”), foi mote certo para Atenção (“Essa vida contém/ cenas explícitas de tédio/ nos intervalos da emoção”) e para voltar ao novo disco: Se você nadar, As estrelas cadentes e Óbitos (não estrelas, mas corpos cadentes a mando de burocratas assassinos). Depois entrou Carminho e assistimos a dois duetos harmónicos e vibrantes, primeiro em Vilarejo, depois em Do vento. Seria um desperdício, se não os tivessem gravado.

O sol e Que me continua, antes de uma sequência de canções dos dois últimos discos, vieram lembrar-nos que Arnaldo é, a par de cantor, poeta. E que a sua poesia (que já é tanta) tem momentos de extraordinária criatividade e inspiração. Azul vazio, Saudade farta, Dança, Alta noite, Ela é tarja preta e Na fissura completaram a roda dos sons mais recentes, rematada pela “tribalista” Passe em casa, no meio da qual Arnaldo apresentou os músicos que com ele partilhavam o palco: Chico Salem (violão, guitarra) Betão Aguiar (baixo), Curumin (bateria, MPC) e André Lima (teclados, sanfona). Com parte da assistência já a ensaiar gestos de dança, Manuela Azevedo e Hélder Gonçalves entraram no momento certo. Naturalmente, naturalmente foi finalmente registado num dueto a sério (o do disco foi feito à distância e montado em estúdio), com Arnaldo e Manuela a dançarem juntos em palco; e o frenético rock and roll de H2omem, primeira parceria de Arnaldo com os Clã (incluída por estes no disco Lustro, de 2000), foi digno de antologia: não podiam, eles e os músicos, estar mais sintonizados e mais felizes. O final, em estado de graça, fez-se com Muito muito pouco, Cachimbo e Inclassificáveis.

Houve ainda um triplo encore, com A casa é sua, Socorro (que Arnaldo cantou deitado no chão) e Velha infância, dos Tribalistas, partilhada com Carminho, Manuela e Hélder. E houve mais, ou não estivessem a gravar um DVD: por razões técnicas, repetiram-se três canções: O sol, Dança e Alta noite. Um bónus inesperado para quem já se dirigia para a saída, dando a noite por finda.

Este seria um daqueles concertos que iríamos lamentar não terem sido gravados. Se o DVD lhe fizer justiça, não o percam.