Morreu Bruto da Costa, o político para quem se devia dar aos pobres o peixe e a cana

O antigo ministro e conselheiro de Estado, estudioso da pobreza e da exclusão, morreu em casa, em Lisboa.

Bruto da Costa era formado em Engenharia, mas só exerceu durante um ano
Foto
Bruto da Costa era formado em Engenharia, mas só exerceu durante um ano Diogo Baptista

A entrevista é de 2007, mas continua a dar que pensar. Nela o antigo conselheiro de Estado Alfredo Bruto da Costa dizia: “Discordo da frase ‘não dês o peixe, dá a cana’. Se só deres o peixe, ele só comerá hoje. Se, além do peixe, deres a cana, ele comerá hoje e o resto da vida. Não vale de nada dar uma cana a alguém que está com tanta fome que não pode sequer levantar-se para chegar ao rio para pescar.”

Bruto da Costa morreu em casa, em Lisboa, nesta sexta-feira, com 78 anos. O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, enviou uma nota às redacções a lembrar que “esteve associado aos maiores avanços nas políticas sociais das últimas décadas em Portugal”. “Foi um grande combatente contra a pobreza e a exclusão”, resumiu. Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Segurança Social, por sua vez, destacou a sua “visão assertiva” e “por vezes idealista”.

Doutorado em Sociologia, fez carreira como professor universitário e ocupou vários cargos públicos. Foi ministro dos Assuntos Sociais no executivo liderado por Maria de Lurdes Pintasilgo, provedor da Misericórdia de Lisboa, presidente do Conselho Económico e Social, esteve à frente da Comissão Nacional de Justiça e Paz. Em Setembro de 2014, tomou posse como conselheiro de Estado.

Tinha no currículo vários estudos e trabalhos sobre pobreza e exclusão social, incluindo a tese de doutoramento. E, nessa área, continuava activo. Fazia parte de um grupo de trabalho dinamizado pela EAPN-Rede Europeia Antipobreza /Portugal, que delineou um roteiro para uma Estratégia Nacional de Erradicação da Pobreza. 

A Estratégia Nacional foi uma das suas últimas lutas. “Nós sabemos quem são os pobres em Portugal”, disse, na apresentação pública do roteiro, em Setembro de 2015. “O problema é termos procurado combater a pobreza sobretudo de forma pontual. Pontual e dispersa”, sintetizou, ao convidar a “aderir a um compromisso para uma estratégia nacional de combate à pobreza”, que desse consistência a uma acção que visasse “não apenas reduzir o sofrimento do pobre, o que é certamente necessário, mas também ajudá-lo a libertar-se da pobreza”.

“Ainda participou numa reunião em Março”, diz Sérgio Aires, presidente da EAPN - Europa. “Depois, anunciou que estava doente. Pediu que o mantivessem informado sobre o desenrolar dos trabalhos. Tinha expectativa de superar a doença”, comenta ainda. Nesta altura da vida, reflectia muito sobre a ideia de desigualdade. “Desafiava-nos a aprofundar esse conceito. E eu dizia-lhe que tínhamos de fazer uma história da luta contra a pobreza em Portugal enquanto era tempo.”

Quem o via, assim, com grande à-vontade, não imaginava que alguma vez tivesse tido medo de falar em público. Revelou-o à publicação católica Voz da Verdade. Nesse artigo, publicado em 2013, pode ler-se mais sobre os seus primeiros anos de vida na Índia. Nasceu em Goa. Fez o ensino primário em português. Ingressou numa escola jesuíta, onde fez o ensino secundário, já em inglês.

Queria ser advogado, como o pai. Só que “estava convencido de que não seria capaz de falar em público”. E acabou por vir para Portugal estudar Engenharia Civil. Lia cada vez mais. Percebeu que não queria ser engenheiro (exerceu durante um ano), mas também não sabia bem o que deveria ser. Acabou por dedicar a vida ao combate à pobreza. com R.A.C.