DR
Foto
DR

Petable, a "app" portuguesa para quem tem animais de companhia

Cuidar da saúde dos animais de companhia através da medicina preventiva é o objectivo a Petable. "Start-up" portuguesa esteve presente na Web Summit

Criada por dois veterinários, a "start-up" portuguesa Petable conta com mais de 40.000 utilizadores e tem o futuro bem delineado: aposta nos Estados Unidos em 2017. "A Petable é uma aplicação para donos de animais de estimação baseada em medicina preventiva que os ajuda a cuidar o melhor possível" dos seus bichos, explicou à Lusa Inês Viegas, veterinária e co-fundadora da Petable, juntamente com Bruno Farinha. 

O serviço tem um portal de médicos veterinários em que estes, mediante um pagamento à Petable, podem contactar com os donos dos animais. Para estes últimos, é gratuito e permite receberem um alerta com as datas das vacinas, consultas ou desparasitações. E qualquer animal pode beneficiar deste serviço, embora a informação mais disponibilizada seja para cães e gatos. "Fazemos mais do que isso, temos um sistema de apoio aos donos para doenças crónicas como diabetes, problemas cardíacos ou obesidade e explicamos o porquê de terem de fazer determinado plano de saúde", adiantou.

A aplicação existe há ano e meio e está disponível para iOS e Android, em português, inglês e espanhol, sendo que em Dezembro estará disponível uma nova versão do serviço. "Temos 40.000 utilizadores e 200 clínicas", apontou, adiantando que os donos dos animais são fundamentalmente portugueses, embora esteja a existir "algum desenvolvimento orgânico no Brasil", mercado que a Petable vai explorar, a par dos Estados Unidos. "Já estamos a trabalhar com a Universidade do Texas, em Austin. Fechámos agora o primeiro cliente e o primeiro piloto será numa cadeia de hospitais norte-americana", acrescentou. "Vamos ter também o foco naquele mercado, acho que todas as 'start-ups' nascem a pensar em ir lá para fora", salientou o presidente executivo. Já Inês Viegas explicou que as 200 clínicas representam 20% do mercado em Portugal, pelo que "crescer significa crescer para fora", como Espanha, onde se chama Vetable.

Em Lisboa, na Web Summit, a equipa da Petable tinha "expectativas acauteladas". "Uma 'start-up' que venha para cá [Web Summit] a achar que a vida vai mudar tem a probabilidade muito grande de ficar desiludida", adiantou o gestor. Neste evento, a Petable teve várias reuniões com potenciais investidores. Actualmente, a empresa factura entre 5.000 e 6.000 euros de receitas mensalmente, crescendo entre 15% a 20% todos os meses, avançou. "Esperamos que no final de 2017 o valor ronde os 50.000 euros mensais, incluindo Brasil e Estados Unidos", disse Bruno Farinha. As receitas da empresa provêm das clínicas veterinárias que pagam para ter acesso ao portal e contactar os seus clientes, além das parcerias com farmacêuticas e companhias de seguro. Com equipa de 12 pessoas, a Petable contou com o investimento da Portugal Ventures

Sugerir correcção