Falcoaria portuguesa a caminho de integrar Património da Humanidade

Candidatura foi apresentada pela câmara de Salvaterra de Magos e decisão deverá ser anunciada no fim deste mês.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
Palácio da Falcoaria em Salvaterra DR

A arte da falcoaria em Portugal pode vir a ser declarada Património Cultural Imaterial da Humanidade já no final de Novembro, segundo revela a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, que sabe que a decisão final será anunciada no decorrer da 11ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que se realiza, na Etiópia, de 28 de Novembro a 2 de Dezembro. A candidatura portuguesa “Falcoaria. Património Humano Vivo” já ultrapassou as diversas fases de avaliação e a decisão final será divulgada no âmbito da sessão da Comissão de Especialistas da UNESCO, organização das Nações Unidas para a educação, ciência e cultura.      

A candidatura foi apresentada, em 2015 pelo município, em parceria com a Universidade de Évora, a Associação Portuguesa de Falcoaria e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo/Ribatejo. Destaca a tradição da falcoaria em Portugal, sobretudo na região do Ribatejo, onde a família real portuguesa caçava frequentemente e onde o rei D. José I mandou construir mesmo o chamado “Palácio da Falcoaria”, situado na periferia de Salvaterra de Magos. Ali estiveram, no século XVIII, falcoeiros holandeses, originários de Valkensward (Vale de Falcões), que touxeram falcões com características distintas  dos portugueses e transmitiram novos conhecimentos sobre a caça e sobre o tratamento das aves. O palácio tem características únicas na Península Ibérica, foi construído ao estilo pombalino sob orientação do arquitecto Carlos Mardel e tem, também, algumas influências da falcoaria holandesa.

O edifício entrou em decadência poucas décadas depois, com a fuga da família real portuguesa para o Brasil, devido às invasões francesas. Em 1953 foi classificado como Imóvel de Interesse Público. Já no final do século passado, quando se encontrava bastante degradado, foi adquirido pela Câmara de Salvaterra, que investiu na sua recuperação e transformação em espaço cultural. As obras foram inauguradas em 2009, passando a antiga “Falcoaria Real” a receber exposições, encontros e oficinas relacionadas com esta temática. “Actualmente, permite, para além da visita a este edifício ímpar na Península Ibérica, interpretar, com a ajuda de um falcoeiro, diferentes espécies de aves de presa: falcões, águias e açores” - refere a autarquia. Possui, ainda, uma equipagem de voo com cerca de duas dezenas de aves que, diariamente, fazem demonstrações para os visitantes.

Considerando que este edifício e a tradição falcoeira são um dos principais “cartões-de-visita do concelho”, o município registou, em 2014, a marca “Salvaterra de Magos - Capital Nacional da Falcoaria”. A eventual classificação como Património Imaterial da Humanidade pode ser mais um passo importante para a dinamização da falcoaria e para o aprofundar do potencial turístico deste sector em Salvaterra de Magos.  

O Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial já incluiu a “Falcoaria” na sua Lista Representativa em Novembro de 2010. Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, assumiu a liderança e a coordenação desse projecto, apresentado, pela primeira vez na história da UNESCO, por onze países - Bélgica, República Checa, França, Coreia, Mongólia, Marrocos Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Síria e Emirados Árabes Unidos. Países que, individualmente, incluíram a Falcoaria no Inventário Nacional do Património Cultural e Imaterial com uma candidatura considerada como "um excelente exemplo de cooperação entre as nações”.

Já em 2012, a UNESCO estendeu o reconhecimento de património cultural à falcoaria praticada na Áustria e na Hungria. E pode voltar a alargar, agora, esse reconhecimento à falcoaria portuguesa. 

Outras candidaturas

Já aprovadas pela UNESCO

- Fado

- Cante Alentejano

- Dieta Mediterrânica

Já aprovado que necessita de salvaguarda urgente

- Manufactura de chocalhos

Em análise nesta reunião

- Falcoaria 

- Olaria preta de Bisalhães

Em preparação:

Há vários projectos em intenção ou preparação, desde a semana santa de Braga e romarias do Minho às Saias Alentejanas e Cante ao Despique, passando pela arte xávega, festas do povo de Campo Maior, tapete de Arraiolos, bonecos de Estremoz, Festa de Carnaval dos Caretos de Podence, madeiro de Penamacor, Casais de Folgosinho ou moinhos de vento do Oeste.

Sugerir correcção