A startup que não queria ir à Web Summit e acabou a ganhar um prémio

Em 2014, a Codacy foi distinguida na competição de pitches. Mas o fundador esteve para não ir ao evento.

Jaime Jorge, fotografado em 2013, na Startup Lisboa
Foto
Jaime Jorge, fotografado em 2013, na Startup Lisboa Nuno Ferreira Santos

Há dois anos, Jaime Jorge, fundador de uma startup chamada Codacy, não estava sequer inclinado para gastar o dinheiro na viagem até Dublin e ir à Web Summit. Acabou por mudar de ideias, apanhou o avião e saiu de lá como vencedor da competição de pitches (ou apresentações) – um feito que lhe valeu a atenção de alguma influente imprensa especializada e um momento de fama em palco, frente a uma enorme plateia de potenciais investidores e clientes.

“Inicialmente, nem queria ter ido”, recorda Jaime Jorge, que este ano fará parte de um dos painéis de abertura do evento e que se tornou um dos rostos conhecidos da recente vaga de empreendedorismo tecnológico em Portugal. Foi a ideia de atrair clientes que ditou na altura a alteração de planos. “Descobrimos que as pessoas que vão à Web Summit têm muito em comum com o nosso cliente: são engenheiros, empresas de base tecnológica, fazem software, são um óptimo alvo."

A Codacy vende um serviço que detecta automaticamente erros e outras falhas em código informático. A ideia surgiu quando Jaime Jorge fazia a tese de mestrado, no Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Os primeiros passos da empresa (que começou por se chamar Qamine) foram dados na incubadora Startup Lisboa. Daí, Jorge seguiu para o Reino Unido, depois de ter conseguido investimento do conhecido fundo londrino Seedcamp. Hoje, a Codacy emprega 16 pessoas e entre os clientes estão empresas como o PayPal e a Adobe.

Em 2014, quando a Codacy ganhou a competição, a Web Summit ia na quarta edição e já era um evento de grandes dimensões, com cerca de 22 mil pessoas e uma lista de oradores de renome, como o fundador do Twitter Jack Dorsey e o empresário Elon Musk, criador dos automóveis Tesla. Naquela ida a Dublin, a Codacy tinha uma “missão bem delineada”, que nada tinha a ver com concursos: aproveitar o evento para mostrar o produto, “puxar clientes, e distribuir e receber cartões de visita", que é uma actividade frequente neste tipo de eventos. A missão foi cumprida: “Alguns dos clientes que nos pagaram bom dinheiro, foram clientes da Web Summit,” afirma Jaime Jorge.

Já a participação no concurso de pitch (em que as startups concorrentes fazem uma curta apresentação frente a um júri) não fazia parte dos planos. “Quando nos propuseram, disse ‘não quero, quero estar a falar com clientes’”, diz o fundador da Codacy. E, por lapso, acabaram por participar na categoria errada, competindo com startups numa fase mais madura e com mais investimento. Os vencedores recebiam dez mil euros e um encontro com executivos da Coca-Cola. “Pensando duas vezes, fez imenso sentido, para mostrar produto”, reconhece.