Opinião

O lixo de Trump e o nariz de Zizek

Se Zizek acha que o perigo é Hillary, ou prefere Trump porque quer rebentar com tudo, o problema de Zizek está um pouco acima do nariz. Mas a esquerda não tem de o partilhar.

1. Centenas de milhões e eu torcemos para que amanhã os estado-unidenses impeçam Trump de chegar à Casa Branca. Digo estado-unidenses porque, infelizmente, nem todos os americanos, nem sequer todos os norte-americanos podem votar para impedir Trump. Provavelmente nunca houve uma eleição em que tanta gente gostasse de votar, mas sobretudo tenho pena de que todos aqueles norte-americanos do México não possam ir às urnas para tirar de vez este lixo do nosso alcance, um homem que insulta a todo o momento mexicanos, muçulmanos, negros, emigrantes, mulheres.

2. É ciclicamente difícil acreditar na democracia, 2016 ainda não acabou mas já conteve o bastante para ser um daqueles auges da descrença, e os Estados Unidos são o melhor exemplo de uma grande democracia em que se dão brutalidades extremas, internas e externas. Quem acredita na democracia dirá que isso acontece apesar da democracia e lutará de algum modo para a melhorar. Quem não acredita dirá que a própria democracia se sustenta na brutalidade e esperará que ela impluda. É um longo debate, talvez a guerrilha volte em força brevemente, por naufrágio da democracia. O fortalecimento eleitoral de extremistas em tantos países, os referendos com a vitória do “Brexit” e a derrota do Acordo de Paz na Colômbia ou o que aconteceu no Brasil, do “impeachment” de Dilma à eleição carioca de Crivella, são resultados melancólicos para a democracia. Digo melancólicos por ainda acreditar nela.

3. Então, nestas vésperas da eleição nos EUA perguntaram à superstar Slavoj Zizek em quem votaria se fosse eleitor lá. Psicanalista marxista com notável queda para os holofotes, Zizek tornou-se um pensador-sensação, pelo menos até parte da esquerda começar a ter dúvidas sobre o que ele queria, se é que ele próprio sabia. Entrevistado agora pelo Channel Four, declarou sem hesitar que votaria em Donald Trump. Sim, sente-se “horrorizado” com Trump mas “o verdadeiro perigo” é Hillary Clinton. Aliás, diz ele, quando Bernie Sanders apoiou Hillary “foi como alguém do movimento Occupy Wall Street apoiar a Lehman Brothers”. Se Trump ganhar, julga Zizek, “algo pode acontecer”, poderá haver “um grande despertar”. A tal implosão do sistema, presume-se (quanto pior, melhor). É um vídeo em que o protagonista é o nariz do pensador, afagado de dois em dois segundos. Enquanto isso, Zizek simplesmente não cheira o lixo cá fora. Ou talvez tudo resulte de ele ser tão um pensador superstar, e não um mexicano ilegal nos EUA, não um muçulmano, não um negro, não uma daquelas mulheres que Trump assediou, maltratou, e insulta. Talvez o ego de Zizek seja tão grande que ele acredite que constrói a revolução a partir do seu divã mesmo à custa de dizer que votará no homem que insulta de forma degradante centenas de milhões de pessoas. Não questiono a obra de Zizek para trás (nem poderia fazê-lo, li um par de livros e pouco mais). O ponto aqui é o insulto que representa para tantos milhões alguém com audiência intelectual, e uma suposta crença num mundo solidário, dizer estas barbaridades. E preocupa-me que parte da esquerda possa acreditar de facto que Trump e Hillary são ambos maus, ou que nada é pior do que Hillary.

4. Trump e Hillary não são ambos maus porque Trump é indescritivelmente pior. Não sou uma simpatizante de Hillary, sempre achei que nunca votaria nela a não ser em caso de emergência. É coisa de pele, de antes dos escândalos. Cobri a segunda campanha de Bill Clinton para a Casa Branca há 20 anos, andei pelo Arkansas onde eles moraram, observei-a ao vivo, e já não gostava do estilo. Em 2008 não apenas torci por Obama na corrida para a nomeação Democrata, em que Hillary era a rival, como depois tirei uma semana de férias para festejar no Harlem a vitória dele. Tenho várias questões com Barack Obama (começando pela falta de firmeza em relação ao governo de Israel), mas vou ter muitas saudades dele, e da estupenda Michelle. Talvez um dia os estado-unidenses possam votar em Michelle Obama para a Casa Branca. Tirando aquele momento “maior nação do mundo” que ela e o marido sempre têm, e sempre me parece mais do que dispensável, foi antológico o discurso que ela fez depois do “vídeo balneário” de Trump, esse pândego quando se trata de assaltar mulheres. Michelle disse que nestas eleições não se trata de política como de costume mas de decência humana mínima, e tem razão. É um caso de emergência, como foi o da prefeitura do Rio de Janeiro: ainda que as pessoas não gostassem de Freixo era preciso impedir Crivella, e o seu projecto de poder nacional e internacional para a Igreja Universal do Reino de Deus. No caso do Rio, acresceu a circunstância trágica de Freixo ser um excelente candidato. Infelizmente, o impacto da eleição de amanhã é sobre todo o planeta e Hillary não é uma excelente candidata. Às questões de estilo somam-se problemas passados e previsíveis problemas futuros (por exemplo, se o governo de Israel agiu como inimputável com Obama mais agirá com Hillary, é o que o seu comportamento anterior leva a crer). Ainda assim, não se trata de escolher entre dois males, e portanto não votar, ou votar num alternativo. Só votar Hillary impede Trump de ganhar, e quem não votar nela terá ajudado Trump a ganhar. Agora pensem um minuto na hipótese real de aquele homem ser presidente.

5. A actriz Susan Sarandon disse à BBC que não votaria Hillary porque não vota com a vagina. Ainda bem, o ideal de facto é que toda a gente vote com a mão comandada pela cabeça. E por isso é que não entendo como ela diz que vai votar em Jill Stein para reforçar os votos alternativos, já que Hillary e Trump são igualmente maus. Quero acreditar que só o diz, como alguma esquerda também diz, porque não acredita que Trump possa mesmo ganhar. Votos alternativos são óptimos, claro, mas se Trump chegar à Casa Branca o melhor é passarmos já à guerrilha. Cada voto faz diferença: nem quatro anos, nem quatro meses, nem quatro dias. Alguém que chama violadores em massa aos emigrantes mexicanos e acha que pode pôr a mão no sexo de qualquer mulher só porque é famoso não pode ser presidente do condomínio dele, quanto mais dos Estados Unidos da América. Um dos perigos, aliás, é Trump estar convencido de que vai governar o mundo como governa o seu condomínio. Em suma, se Zizek crê verdadeiramente que o verdadeiro perigo é Hillary, ou prefere Trump porque quer rebentar com tudo, então o problema de Zizek está um pouco acima do nariz. Mas a esquerda não tem de o partilhar. E, sendo optimista, acredito que a democracia tenderá a travar alguns dos problemas de Hillary como governante. Ela estará sob todas as luzes.